Benchmarking

Para todo empreendedor, que tenha uma empresa de grande, médio ou pequeno porte, o sonho é sempre o mesmo: fazer com que o seu negócio continue sempre crescendo, cada vez mais. Isso é mais do que normal. Todo mundo que investe seus recursos em um propósito tem como objetivo o sucesso, não é mesmo? No entanto, essa caminhada rumo ao sucesso nem sempre, ou melhor, na maioria das vezes, não é tão simples como parece.

Fato é que, no começo, tudo parece ser difícil, mas na verdade, as dificuldades vão aumentando com o passar do tempo, e até mesmo os empreendedores já com anos de experiências se veem perdidos e sem rumo em alguma parte de sua trajetória. Tudo parece piorar quando se vê que “a grama do vizinho parece mais verde”. É diante dessas situações, onde se nota que os demais concorrentes estão conseguindo alcançar novos sonhos enquanto você está “estabilizado” no mesmo lugar, que o desânimo e a vontade de desistir aumentam ainda mais.

A boa notícia é que isso não acontece só com você, e se ainda não aconteceu, um dia ainda vai acontecer. A sensação de estar parado no tempo acontece para todos, isso é fato. No entanto, ela só é realmente prejudicial se você aceitá-la e não fazer nada para mudá-la. É preciso investir em ações e estratégias para sair do lugar e alcançar novos objetivos. Mas como conseguir isso quando não se sabe para onde ir?

O que é Benchmarking?

É aí que surge o Benchmarking. Essa palavra em inglês é capaz de mudar a sua vida, e principalmente, o seu negócio. Para quem ainda não ouviu falar ou ainda não sabe como funciona, o benchmarking é uma das estratégias mais eficazes e inovadoras que irá te ajudar a aumentar a sua eficiência.

Se formos traduzirmos a palavra, o resultado seria: ponto de referência. E é justamente isso que faz o benchmarking: Buscar as melhores referências para alcançar níveis maiores e melhores para a sua empresa. Significa, portanto, analisar e estudar os caminhos e ações que são utilizadas pelos seus concorrentes e utilizá-las como um estímulo para alavancar seus negócios. De modo geral, o benchmarking significa fazer um levantamento das metodologias que dão certo para os concorrentes, e utilizá-las, adaptando-as para a sua realidade e para a realidade da sua empresa.

Diante disso, o benchmarking é a melhor opção para quem está com a sensação de “parado no tempo”. Ou ainda, para quem não sabe para onde ir. A partir dos pontos de referência que já deram certo para outras pessoas, fica mais fácil investir e alcançar resultados melhores, não é mesmo?

Atenção! O benchmarking não é e está longe de ser uma imitação. Se trata de saber identificar as metodologias que dão certo nos outros negócios e adequá-las para a sua situação. Não significa, portanto, copiar as mesmas ações da concorrência, uma vez que esse comportamento só aumentará ainda mais a sua chance de fracasso. O benchmarking serve para motivar os empreendedores a saírem da comodidade e buscarem novas estratégias de potencializem consideravelmente os seus resultados.

Os tipos de Benchmarking

Agora que você já sabe do que se trata o termo Benchmarking, vale a pena conhecer cada um dos tipos dessa forma de estratégia. Isso porque não existe apenas uma única maneira de realizar o benchmarking, para cada objetivo existe um tipo, e saber identificá-los e conhecer cada um deles é fundamental para que a sua empresa caminhe certo, a partir das metodologias adequadas.

De nada adianta querer realizar o benchmarking se não se sabe qual deles é o mais adequado para a sua realidade, ou melhor, para o seu objetivo. Para não correr o risco de errar ou perder tempo, veja quais são os tipos de benchmarking e saiba qual utilizar diante das suas necessidades da sua empresa.

1 – Benchmarking interno: é o tipo mais comum e mais fácil de ser realizado. O benchmarking interno diz respeito à empresa saber identificar quais são as melhores e mais eficientes práticas da própria empresa, e assim, estendê-las para os outros setores que ainda não a utilizam, aumentando as chances de crescimento. Para quem deseja começar a praticar o benchmarking em sua empresa, uma boa opção é começar pelo interno, pois é o tipo mais fácil, uma vez que todas as informações necessárias pertencem à própria empresa, e assim, estão disponíveis sem nenhuma dificuldade.

No entanto, uma desvantagem do benchmarking interno é que corre o risco de não alcançar os objetivos de forma satisfatória, pois as ações podem estar relacionadas com os mesmos paradigmas utilizados, o que diminui a chance de grandes conquistas. De qualquer forma, o benchmarking interno é um bom começo e pode ser o primeiro passo para se investir no benchmarking externo futuramente.

2 – Benchmarking Funcional: é a forma de benchmarking mais utilizada, pois não depende exclusivamente dos concorrentes. Nesse tipo de estratégia, a busca e a pesquisa por ações que dão certo não são direcionadas para empresas do mesmo ramo, ou seja, buscam-se ações de empresas distintas, mas que possam ser adaptadas para a realidade da empresa. Um exemplo de benchmarking funcional é buscar as estratégias de embalagem, de transporte ou até controle de estoque.

Investir nesse tipo de benchmarking é uma grande chance de conseguir bons resultados, pois como a troca de informações necessárias se dá com empresas que não são concorrentes, mas que atuam em outros ramos, é mais fácil e mais confiável.

3 – Benchmarking Competitivo: diferente do benchmarking funcional e interno, o benchmarking competitivo é o tipo mais difícil de ser realizado, pois o seu princípio é justamente identificar, buscar e pesquisar as ações das empresas que atuam no mesmo ramo, ou seja, nas empresas concorrentes. Com isso, nem sempre a concorrência está aberta para disponibilizar as informações necessárias sobre as ações, estratégias e metodologias que dão certo.

O principal objetivo de quem pratica o benchmarking competitivo é aderir às estratégias que dão certo nas concorrentes, adequá-las para a sua própria empresa e a partir disso, superar os seus próprios limites, superar as empresas concorrentes e se tornar a melhor referência na área em que se atua.

4 – Benchmarking Genérico: por fim, o benchmarking genérico se refere à busca de ações e prática de empresas que apresentem funções ou processos produtivos semelhantes, sem necessariamente atuarem na mesma área. Um exemplo muito comum desse tipo de benchmarking é o acompanhamento durante todo o processo produtivo, isto é, desde o momento em que um pedido entra na empresa até o momento em que o produto ou serviço é entregue para o cliente.

Diante disso, o benchmarking se trata de um estudo ainda mais aprofundado sobre as estratégias das outras empresas, um processo ainda mais complexo do que o que acontece nos outros tipos. No entanto, é esse modelo de benchmarking que pode revelar a melhor das melhores metodologias para a sua empresa dar um passo ainda maior.

Guia de Gestão Estratégia

Benchmarking: vantagens e desvantagens

Agora que você já sabe do que se trata e conhece todos os tipos de benchmarking que podem te ajudar a alavancar seus negócios, você deve estar pensando: mas será que não tem nenhum risco, ou então, nenhuma desvantagem em aderir a essa técnica?

É claro que assim como tudo, o benchmarking também apresenta as suas vantagens e desvantagens. No entanto, ainda que as desvantagens existam, é possível compensá-las com as vantagens, que ainda são maioria e predominam. Para entender melhor, confira as principais vantagens e as principais desvantagens do benchmarking.

Vantagens

Aprimoramento: como nessa técnica você busca novos processos e práticas, você acaba por se aperfeiçoar ainda mais no ramo em que atua, o que faz com que você se torne cada vez mais capacitado e mais perto de alcançar a tão sonhada perfeição.

Autoconhecimento: uma das principais vantagens do benchmarking é autoconhecimento, tanto seu quanto da sua empresa, uma vez que você precisa conhecê-la muito bem para saber quais são os melhores caminhos para se trilhar.

Motivação: como o benchmarking funciona a partir de buscas de pontos de referências, fica mais fácil motivar a sua empresa e seus funcionários a caminharem em busca dos objetivos, pois se tem um exemplo concreto de que é possível.

Conhecimento de mercado: por buscar novas estratégias e ações, através do benchmarking, você acaba ampliando o seu conhecimento de mercado, ficando por dentro das novidades e atualizações.

Aumento da produtividade: uma das vantagens mais aparentes e rápidas é o aumento da produtividade, alcançada por meio das novas metodologias pesquisadas.

Desvantagens

Risco de cópia: muitos empreendedores acabam por não entender bem o conceito e o sentido do benchmarking, e assim, acabam apenas copiando as ações das outras empresas. Esse comportamento é altamente perigoso, pois pode afundar ainda mais a sua empresa. Para que o benchmarking funcione de verdade, você deve adequar as metodologias para a sua empresa.

Limitação: por medo ou por falta de conhecimento, muitos empreendedores acabam por aderir somente ao benchmarking interno, o que pode limitar ainda mais a visão que se tem do mercado e do campo em que se atua, resultando em um estacionamento.

Perda de identidade: por fim, uma das maiores desvantagens e também mais perigosas, é que pela busca intensa em qualidades e ações de outras empresas, é possível que a sua empresa acabe focando demais na concorrência e comece a atuar de maneira muito igual a ela, perdendo a sua própria identidade.

Etapas necessárias para a implementação do benchmarking

Finalmente, chegamos na parte mais esperada e mais importante, afinal, para que tudo isso que você leu dê certo de verdade para a sua empresa, é fundamental saber como incorporar o benchmarking em sua realidade, aprendendo quais são as etapas desse processo.

Para conseguir alcançar os objetivos tão esperados, não basta apenas saber identificar o melhor caminho para isso, é importante saber quais passos devem ser dados, e ainda, em qual ordem. Veja as etapas que devem ser seguidas para implementar o benchmarking na sua empresa:

1 – Análise interna: antes de conhecer e buscar seus concorrentes, você precisa conhecer a sua própria empresa. É se autoconhecendo que se consegue alçar voos mais altos e mais longos. É basicamente conhecer o que se é para conseguir compreender como irá melhorar.

2 – Identificar os “pontos de referência”: depois de conhecer e identificar as suas necessidades, você precisa ir em busca das empresas que servirão de espelho e motivação para você. Aqui é uma etapa muito importante, pois não se trata de qualquer empresa. É preciso identificar as melhores na sua área, para assim, o benchmarking funcione de verdade.

3 – Definir ações para captar os dados necessários: para que você consiga melhorar a sua empresa, você precisará ter acesso a algumas informações de outras empresas “modelo” do seu campo de atuação.

4 – Análise de mercado: depois de identificar quais são as melhores empresas, você precisa saber identificar quais são as melhores ações da concorrência que podem te ajudar a melhorar o que precisa ser melhorado dentro da sua empresa.

5 – Identificar as lacunas de desempenho: uma etapa muito importante, antes de colocar as ações em prática, é saber identificar quais são as lacunas de desempenho da sua empresa. É nessa hora que você deve fazer a comparação da sua empresa com as empresas concorrentes, e saber onde a sua empresa necessita de investimento.

6 – Planejar as ações futuras que serão as responsáveis por fechar as lacunas identificadas na etapa anterior: depois de conseguir identificar quais são as falhas e os espaços que precisam ser preenchidos e renovados da sua empresa, você precisa traçar objetivos que sejam direcionados exclusivamente para o fechamento dessas lacunas.

7 – Implementar e adequar as ações necessárias: como já foi dito, você precisa saber reconhecer as estratégias e metodologias de sucesso das empresas concorrentes e adequá-las para a sua realidade. Esse é o momento de fazer isso, depois de reconhecer e identificar as suas necessidades e as ações que podem ser úteis, adequá-las para a sua empresa.

8 – Retroação: mesmo depois que seus objetivos e metas tenham sidos alcançados, você precisa manter uma rotina de auto avaliação, de modo a continuar em constante crescimento.

Gostou do texto? Deixe um comentário !

Escrito por eGestor
O eGestor é um software online para gestão de micro e pequenas empresas. Teste gratuitamente em http://www.egestor.com.br