Quando isso acontece, a primeira coisa que o empresário pensa é demitir funcionários. O problema é que demitir custa caro. Quando surtir efeito prático no fluxo de caixa, a empresa já pode ter contornado o problema e será obrigada a contratar novamente. Dessa vez, então, o custo será de eficiência até que o novo funcionário passe pelo período de treinamento e domine inteiramente a nova função.

Sim, mas alguém tem que custear o saneamento da empresa. Que tal o cliente? Vamos reduzir a quantidade do produto na embalagem? Vamos aumentar os preços? Vamos reduzir os investimentos em insumos que agregam valor ao produto? Vamos abrir mão de um pouco da qualidade?

Será essa a solução para tirar a sua empresa do vermelho? Será que esse é o caminho para sanear as finanças ou para diminuir as despesas numa ponta e as vendas na outra, deixando tudo no zero a zero, se não der resultado pior? A questão é se o empresário estará disposto a suportar, para solucionar o problema, o mesmo prazo que os problemas precisaram para trazer a empresa à situação presente. Em outras palavras, isso quer dizer que não existe remédio mágico. O que existe é tratamento.

As cinco dicas 

No começo de 2015, a revista Exame publicou um artigo em que enumera cinco dicas, via departamento financeiro, focadas no pequeno empresário, para tirar a sua empresa do vermelho.

1 – Separar as despesas pessoais da empresa

É preciso que o empresário assimile uma verdade que é preponderante conhecer para começar uma empresa. O dono serve à sua empresa e não ao contrário. A empresa não existe para pagar as despesas e os luxos do dono. A empresa existe para cumprir uma missão, um papel social, que é atender a uma determinada demanda de um grupo de pessoas.

Ah, mas a empresa é uma instituição com fins lucrativos…

E daí? Quem disse o contrário?

Sim, a empresa só tem razão de ser se proporcionar lucratividade aos investidores, aos sócios. O que não muda o fato de que o padrão de vida do dono tem que ser proporcional à capacidade da empresa de gerar lucro. O processo não ocorre ao contrário. Diz Ana Paula Paulino da Costa, especialista em finanças, autora das dicas, que “será necessário reduzir o orçamento familiar até que se equacione a dívida”. O orçamento familiar, não o da empresa.

2 – Elaborar o fluxo de caixa

Isso significa, em outras palavras, ter um “raio x” das finanças da empresa. Consiste em fazer um levantamento dos pagamentos e recebimentos a realizar dentro de um determinado prazo, assim como fazer uma previsão da chegada de novos direitos e obrigações.

Não é complicado. É possível fazer esse cálculo com base em estatísticas, levando em conta as mudanças mais claras ocorridas entre as variáveis que condicionam as vendas, como inflação, aumento ou retração da demanda. Se você conseguir ter uma estimativa de quanto terá que pagar e receber mês a mês ficará mais fácil tomar uma decisão, por exemplo, de tentar alongar o perfil da dívida, aliviando o fluxo de caixa. Aproveite para identificar o problema que está gerando o desequilíbrio no fluxo de caixa, deixando a sua empresa no vermelho.

Apenas lembrando que não são dicas isoladas, mas combinadas. A relação entre os itens 1 e 2 é autoexplicativa.

3 – Análise evolutiva do orçamento

Seguindo a linha de buscar a causa do problema, analisar a evolução do orçamento nos últimos meses é um bom caminho. Consiste em levantar uma série de fatores: A evolução das despesas, receitas, preços de compra de insumos, volume de venda, aumento de custo de produção, aumento dos juros bancários e tudo que tem impacto no resultado financeiro operacional.

Esse levantamento dará uma panorâmica das variáveis que contribuíram para colocar a sua empresa no vermelho.. A partir daí, abrirão uma linha de investigação que pode servir para eliminar problemas e até mudar estratégias de negócio.

4 – Avaliação do que pode ser feito para mudar a situação

De posse de um levantamento dos problemas e suas causas, chegou a hora de atacá-lo. Para cada problema tem que haver uma medida. É preciso corrigir o rumo. Apenas equacionar a dívida não irá resolver o problema. Apenas agravará o problema no médio ou no longo prazo. É preciso tapar o buraco no orçamento, custe o que custar.

5 – Renegociar créditos

Aqui é quase o mesmo que finanças pessoais. As dicas são as mesmas. Corte cartão de crédito e cheque especial, pois é uma dívida que impacta o fluxo de caixa no curto prazo. Busque parcelamentos, mas, voltando ao item quatro, certifique-se de que as parcelas cabem no novo orçamento.

Busque condições mais satisfatórias com fornecedores e tente alinhar os prazos de pagamento com a previsão de recebimentos. É uma boa forma de não recorrer ao crédito de curtíssimo prazo, que é caríssimo e corrói as bases financeiras do seu negócio.

Mais três dicas

Quando se fala em tirar a empresa do vermelho, as pessoas pensam sempre em finanças. É óbvio que, se o problema é financeiro, a saída deve ser financeira, mas isso não encerra a questão.

Uma dica excelente para tirar a sua empresa do vermelho é melhorar o sistema de gestão. Quando falamos de sistema, estamos falando de software. Não há atividade econômica viva para a qual o mercado não tenha gerado um software de gestão, capaz de integrar informações diversas e fornecer relatórios gerenciais.

Ebook Crescimento Empresarial

Ter uma visão abrangente da empresa ajuda a tomar decisões, reduzir custos e avançar em decisões de marketing. A outra dica é levar o marketing a sério enquanto ferramenta estratégica. É através do marketing que a empresa reunirá informações para saber em que, como e para quem investir. Quando essa equação é bem resolvida, a possibilidade de sucesso se amplia.

Para concluir, no mundo da economia compartilhada, que parece ser algo irreversível, tente desenvolver parcerias estratégicas. Elas podem servir para vários benefícios para a sua empresa: reduzir o seu custo de produção, melhorar o capital intelectual da empresa, gerar valor para o produto, gerar maior eficiência, gerar maior qualidade e trazer a fidelização de clientes.

Essa é uma tendência do mercado e sua empresa não pode ficar de fora.

Gostou do texto? Deixe um comentário !

Escrito por eGestor
O eGestor é um software online para gestão de micro e pequenas empresas. Teste gratuitamente em http://www.egestor.com.br