O que é um ativo circulante e ativo fixo?

Uma das principais funções da contabilidade é a geração de informações sobre uma determinada empresa. E esses dados podem (e devem) ser usados tanto por agentes externos quanto por agentes internos do negócio, visando auxiliar em atividades como fiscalização, planejamento do empreendimento, compra de ações etc.

Entretanto, em um balanço contábil completo e rico em informações úteis, são muitos os conceitos que devem ser apresentados. Apesar de a maior parte deles se tratar de conceitos relativamente simples, costumam causar grande confusão na cabeça de empreendedores menos experientes. Esse é o cado do ativo circulante e ativo fixo.

Você também tem dúvida no uso certo desses dois conceitos? Descubra abaixo tudo o que você precisa saber sobre cada um deles antes de realizar um relatório contábil completo:

O que é um ativo?

Antes de definirmos os conceitos de ativo circulante e ativo fixo, precisamos entender o que é, afinal, um ativo. Pode ser considerado como um ativo todos os recursos que são controlados por uma empresa e que se espera que, no futuro, resultarão em benefícios econômicos. Como a finalidade de um negócio é gerar lucros, os ativos podem ser compreendidos como aplicações de bens e direitos que visam criar ganhos a curto, médio ou longo prazo.

Por fim, para que algo possa ser considerado um ativo é preciso cumprir quatro requisitos:

Trazer benefícios ou expectativa de benefícios para a empresa; Ser um bem ou direito da empresa; Ser propriedade da empresa; Possuir valor monetário.

É importante ressaltar que um ativo ainda pode ser tangível — ou seja, tudo aquilo que existe fisicamente e pode ser tocado — ou intangível — sendo tudo aquilo que não existe fisicamente, mas que possui valor monetário. Um exemplo, nesse caso, é a marca da empresa.

O que é um ativo fixo?

O ativo fixo pode ser compreendido como todos aqueles ativos tangíveis ou intangíveis que, por mais que tenham algum valor de mercado e possam ser transformados em dinheiro, demoram algum tempo até que se consiga realizar esta ação. Assim, eles são caracterizados como ativos de baixa liquidez.

Alguns exemplos de ativos fixos ou não circulantes de uma empresa são veículos, móveis e utensílios, máquinas e equipamentos, duplicatas ou aplicações a serem recebidas no próximo exercício contábil, patentes, propriedade intelectual, direitos autorais etc.

Vale lembrar que exercício contábil é compreendido, geralmente, como um período de 12 meses de transações contábeis de uma empresa, sendo considerado tudo que acontece durante esse período como curto prazo.

O que é um ativo circulante?

Como o próprio nome já nos dá uma noção, ativos circulantes são o contrário dos ativos fixos. Um ativo circulante possui alta liquidez e constará nas contas de uma empresa que estarão sempre em constante movimento, sofrendo diversas alterações enquanto esta empresa realiza sua atividade comercial principal.

Como exemplos de ativos circulantes temos a conta bancária de uma empresa, duplicatas a receber de clientes ainda neste exercício contábil, estoques de material para venda, despesas antecipadas, adiantamentos a fornecedores, resgate de aplicações financeiras ou investimentos de curto prazo. Nessa lista entram até mesmo impostos a serem recuperados, como PIS, ICMS ou COFINS — dependendo do regime de tributação escolhido pela empresa.

Você ainda tem alguma dúvida sobre os conceitos de ativo circulante e ativo fixo? Então deixe sua questão em nossa seção de comentários e entre em contato conosco!

Planilha de controle Financeiro gratuita

Escrito por eGestor
O eGestor é um software online para gestão de micro e pequenas empresas. Teste gratuitamente em: https://www.egestor.com.br