Relação Anual de Informações Sociais (RAIS): Guia com o que você precisa saber [2019]

Todo empresário sabe que precisa entregar às entidades governamentais a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), não é mesmo? Opa! Nem todos. Alguns não têm conhecimento dessa obrigatoriedade. Estamos nos referindo aos empreendedores que acabaram de adentrar ao mundo corporativo. Para eles, a RAIS pode ser uma novidade. Mesmo que você já saiba do que se trata, é sempre uma oportunidade para se aprimorar.

Criada em 1975, a Relação Anual de Informações Sociais é um mecanismo do governo federal para compreender como se dão as relações trabalhistas em todo o território. Além disso, funciona como base de dados para a elaboração de informações estatísticas. São dados que, quando analisados em conjunto, permitem traçar um panorama da situação do emprego no Brasil.

Com base na declaração das empresas, é possível quantificar a situação do trabalho formal, postos de trabalho criados, número de pessoas demitidas, setores que mais contrataram, principais ocupações, escolaridade dos trabalhadores e muito mais.

Aliás, a RAIS funciona como uma espécie de censo do trabalho. O censo demográfico você conhece, não é mesmo? Ele quantifica a população brasileira de dez em dez anos e permite análises sobre a situação do país. Da mesma forma funciona a Relação Anual, com a única diferença de que os dados são fornecidos ao governo com mais frequência.

Por meio dela, o governo federal também tem registros do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), de arrecadações e concessões previdenciárias, de trabalhadores que vão acessar benefícios trabalhistas e muito mais.

Nesse cenário, a proposta é obter o máximo de informação que possa subsidiar a elaboração de políticas públicas para a área.

Quem tem necessidade de declarar a RAIS?

Todas as organizações com Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) devem declarar a Relação Anual de Informações Sociais. Até mesmo os profissionais liberais ou aqueles que não possuem funcionários devem fazer a declaração. Neste caso, entra em cena a declaração da RAIS negativa.

Por essa declaração, o empresário informa apenas os dados da organização. Para empresas que estiveram inativas durante o ano anterior, a declaração negativa também é obrigatória.

As organizações restantes necessitam preencher as informações completas. São os casos dos empregadores rurais, das unidades empresariais (como filiais e sucursais), dos autônomos que empregaram funcionários, das autarquias, dos conselhos de classes profissionais e até das organizações da sociedade civil.

Quais as informações devem estar presentes na RAIS?

Cada estabelecimento possui uma Relação Anual de Informações Sociais. Portanto, se você possui uma filial e uma matriz, deve fazer duas declarações.

No documento que é entregue eletronicamente, o empregador informa as funções de cada colaborador, o tipo de vínculo de trabalho e as contribuições sindicais patronais. Além disso, a declaração deve apresentar os empregados contratados temporariamente ou não, servidores públicos de todas as esferas (comissionados ou não), empregados de cartórios, entidades sociais e até aprendizes.

Só não aparecem na Relação Anual os empregados domésticos, estagiários, autônomos sem funcionários, ocupantes de cargos eletivos (como deputados, governadores, prefeitos, vereadores) e diretores sem vínculo empregatício para os quais não há recolhimento de FGTS.

No caso de Microempreendedor Individual (MEI), se ele não contratou nenhum empregado no ano anterior à declaração, basta apenas preencher a RAIS negativa. Porém, se ele teve um ou mais empregados, essa informação deve constar na Relação Anual.

Como entregar a RAIS?

Todos os anos, o governo federal abre um prazo para que as empresas possam enviar a declaração. O programa Gerador de Arquivos RAIS (GDRAIS) permite que o usuário importe dados da folha de pagamento ou insira as informações de forma manual.

Cada ano conta com um GDRAIS específico. Então, não dá para utilizar o programa do ano anterior para fazer a declaração deste ano. No entanto, se você quer preencher a RAIS de anos anteriores, é possível acessar um programa específico. Trata-se do GDRAIS Genérico para declarações de 1976 a 2017.

É importante ficar atento, pois a declaração para o ano de 2018 é diferente. Portanto, o gestor ou a pessoa responsável terá que baixar um programa específico para esse ano.

Caso o empregador não cumpra com o prazo determinado para a entrega, ele pode fazer essa declaração em outro período. É válido salientar, no entanto, que essa atitude gera multas. A cada bimestre de atraso, a multa prevista é de R$425,64. Esse valor, no entanto, pode ser maior dependendo da quantidade de funcionários que a empresa emprega.

Além disso, o empresário que fornece informações falsas está sujeito a multas. Nesse caso, os R$425,64 serão cobrados a cada empregado omitido ou declaração equivocada. Portanto, não dá para fugir da obrigação trabalhista de fazer a declaração.

Mesmo após o pagamento da multa, a empresa tem que prestar as informações requeridas ao órgão público competente. Até mesmo as empresas que abriram falência ou que fecharam as portas precisam preencher a RAIS. Por exemplo, se a empresa fechou em 2018, é obrigação do empresário ou da pessoa responsável pelo preenchimento entregar a declaração 2019, informando a data de despedida dos trabalhadores e, ainda, a data de fechamento da empresa.

Como comprovar a entrega da declaração?

Depois de seguir todos os passos anteriores, é hora de comprovar a declaração de entrega da Relação Anual. Após a transmissão de dados, o próprio programa GDRAIS se encarrega de gerar um número de protocolo.

No protocolo de entrega há um número do Controle de Recepção/Expedição de Arquivo (CREA). É esse número que serve para acessar o recibo de entrega da Relação Anual de Informações Sociais. Até cinco dias úteis depois da entrega da Relação Anual o recibo passa a estar disponível.

O processo de entrega é igual para todo mundo?

Empresas que possuem 11 funcionários ou mais devem enviar os dados a partir de um certificado digital que é um mecanismo para garantir confidencialidade e segurança na transmissão dos dados. Esse certificado é obtido a partir de Autoridades Certificadoras e que fazem parte da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileiras (ICP Brasil).

Aliás, o certificado digital só terá validade se estiver no padrão ICP Brasil. Até mesmo as declarações atrasadas de empresas que possuem 11 trabalhadores ou mais devem utilizar um certificado digital. 

Teste grátis o eGestor por 15 dias!

Escrito por eGestor
O eGestor é um software online para gestão de micro e pequenas empresas. Teste gratuitamente em: https://www.egestor.com.br