jeff bezos

Jeff Bezos é um dos empresários mais bem-sucedidos da atualidade. Com sua visão inovadora e sua filosofia que prioriza o cliente e estabelece objetivos de longo prazo, construiu um império, ganhou reconhecimento mundial e se tornou um dos homens mais ricos do mundo. É também um grande proprietário de terras no Texas, estado conhecido por suas reservas de petróleo.

Além de empreendedor, é engenheiro, investidor e filantropo. Sua história de sucesso avassalador tem origens humildes, mas foge da narrativa tradicional dos jovens empresários que fizeram sucesso após largar a universidade e ir para o Vale do Silício. Ele se formou na faculdade, teve uma carreira de sucesso, mas soube identificar uma oportunidade única e não teve medo de investir nela. Traçou uma estratégia – é bastante metódico e gosta de ordem – e tratou de colocar em prática.

Ousado, Jeff Bezos gosta de revolucionar. Entretanto, também é bastante sistemático e acredita em trabalho duro, sendo reconhecido como alguém difícil de trabalhar, segundo seus funcionários. Sua história como empreendedor de sucesso começa com a criação da Amazon, da qual também é CEO, maior varejista online do mundo, mas vai muito além.

História e família

Seus familiares incentivaram seu potencial desde quando Jeff era novo, e se tornaram parte importante de seus empreendimentos e de sua ascensão, com destaque especial para sua esposa, que foi sua parceira direta no início da Amazon, e seus pais, que chegaram a investir uma quantia considerável no negócio do filho (300 mil dólares). Não é à toa que até hoje sua família ainda detém boa parte das ações da Amazon.

Hoje conhecido como Jeff Bezos, nasceu em Albuquerque, no Novo México (EUA), em 12 de janeiro de 1964, com o nome de Jeffrey Preston Jorgensen. Na época, sua mãe, Jacklyn, era adolescente e seu pai, Ted, um artista de circo, acabou abandonando a esposa e o filho após um casamento de pouco mais de um ano. Quando Jeffrey tinha 4 anos de idade, em abril de 1968, Jacklyn se casou novamente, agora com Miguel Bezos, um cubano que imigrou para os Estados Unidos sozinho quando tinha 15 anos e que se esforçou para concluir seus estudos na Universidade de Albuquerque.

Quando sua mãe se casou com Miguel, a família foi morar em Houston, no Texas, onde Miguel passou a trabalhar como engenheiro na Exxon. O padrasto cubano adotou Jeff, que desde então adotou o seu sobrenome, substituindo Jorgensen por Bezos. Jeff Bezos nunca mais manteve contato com seu pai biológico.

Posteriormente, durante a sua adolescência, a família Bezos se mudou para Miami, na Flórida, onde Jeff passou a estudar na Miami Palmetto Senior Hight School. Foi nesse período que participou do Programa de Formação Científico Estudantil na Universidade da Flórida, feito que o fez receber, em 1982, uma medalha de Cavaleiro.

Jeff Bezos, aliás, demonstrou desde muito cedo sua capacidade intelectual, sua competitividade e seus interesses. Quando tinha apenas 12 anos chegou a desenvolver um sistema matemático para avaliar o desempenho dos docentes da 6ª série. Também demonstrou aptidão com mecânica desde cedo, tendo desmontado seu berço usando uma chave de fenda. Transformou a garagem dos pais numa espécie de laboratório, aonde explorava seus variados interesses científicos.

Sua paixão por computadores surgiu quando cursava o equivalente americano ao segundo grau brasileiro. Além de se destacar nos estudos e participar de inúmeras atividades escolares, foi também o orador da turma ao se formar. Um dos seus professores afirmou na época que ele poderia fazer o que quisesse se tivesse o mínimo de orientação.

Seus ancestrais por parte de mãe estavam entre os primeiros colonos do Texas, o que permitiu que a família adquirisse uma fazenda de 25 mil acres em Cotulla ao longo das décadas. O fundador da Amazon passou boa parte dos verões quando era criança e durante sua juventude na fazenda de seu avô materno, que foi diretor regional da Comissão de Energia Atômica dos Estados Unidos e que se aposentou cedo do cargo e se mudou para cuidar da propriedade da família no sul do Texas. Lá ele aprendeu com o avô que é preciso ser autossuficiente, resolver o que é necessário, fazer você mesmo.

Após se formar no colégio, entrou para a Universidade de Princeton pensando em estudar Física, mas seu interesse por computadores prevaleceu e acabou se graduando em Engenharia Elétrica e Ciências da Computação, em 1986. Em Princeton, chegou a ocupar o cargo de presidente da instituição Estudantes pela Exploração e Desenvolvimento do Espaço e entrou para as sociedades Phi Beta Kappa e Tau Beta Pi.

Ao se formar no ensino superior, foi trabalhar em Wall Street, já que naquela época a informática começou a se destacar e a ser usada cada vez mais para avaliar as tendências do mercado. Trabalhou também na Fitel, que na época estava construindo uma rede para realizar comércio internacional, e no Bankers Trust.

Outro emprego de Jeff Bezos foi numa empresa de investimentos, a D.E. Shaw & Co., que tinha como especialidade desenvolver aplicações para o mercado de ações. Foi nessa empresa que conheceu sua esposa Mackenzie, também ex-aluna de Princeton e que no futuro o ajudaria a tornar a Amazon realidade. Os dois se casaram em 1993 e atualmente têm 4 filhos. Hoje, Mackenzie é uma autora de romances e desenvolve ações filantrópicas com o marido.

Na D.E. Shaw & Co. Bezos foi promovido rapidamente e se tornou vice-presidente sênior. Com uma reputação e uma carreira consolidadas na área de finanças e um futuro brilhante no setor, Jeff teve uma ideia que mudaria sua vida e de sua família, e que o fez largar a segurança profissional conquistada e arriscar tudo.

Ebook Crescimento Empresarial

Amazon, uma ideia revolucionária

Com 30 anos, Bezos resolveu largar sua vida confortável e estável em Nova York e se mudar para a costa oeste, onde as startups de internet estavam começando a aparecer, para dar seguimento a uma ideia que teve. Era 1994 e ele havia percebido que a utilização da internet estava aumentando exponencialmente.

Foi assim que percebeu uma nova oportunidade de negócios e passou a avaliar as possibilidades existentes. Ele pesquisou quais eram os 20 negócios de maior sucesso de entregas por catálogos através de e-mail, prática comum naquela época nos Estados Unidos, e refletiu sobre qual deles poderia ser feito de forma mais eficiente pela internet do que nas vias tradicionais. Notou que não existia um catálogo global para livros, devido ao tamanho imenso que resultaria, impossibilitando o envio de e-mails. Assim, percebeu que poderia investir em uma livraria online.

Ao ter a ideia que mudaria sua vida, foi para Convenção Americana de Livreiros, em Los Angeles, se aprofundar no mercado de livros. Lá, ele descobriu que as maiores editoras já possuíam arquivos eletrônicos dos seus estoques, era necessário apenas criar um site reunindo esses dados, permitindo que as pessoas pudessem procurar no estoque disponível e efetuar seu pedido. Em 1994, durante uma viagem que fez de Nova Iorque para Seattle, ele escreveu o plano de negócios da Amazon.

Apesar dos riscos, ele e Mackenzie decidiram seguir em frente e mudar para Seattle, em Washington. A escolha da cidade foi estratégica: livre de impostos estaduais e com preços imobiliários e de mão-de-obra mais acessíveis, também era a sede da Ingram, uma das maiores distribuidoras de livros. Por isso, até hoje a empresa mantém sua sede na cidade. Essas vantagens fizeram com que ele pudesse construir um grande e discreto complexo, que poderia ter sua fachada confundida com um centro de pesquisa, já que nela há apenas uma simples placa.

Assim, definido o negócio e o local, encontrou um imóvel com aluguel abaixo de 700 dólares (equivalente a cerca de 2500 reais nos dias de hoje) e instalou ali a Amazon, em um espaço de 500 metros quadrados, sem nenhuma mobília. O site foi lançado em junho de 1995, e oferecia livros, CDs, brinquedos e eletrônicos. O casal trabalhou muito durante dois anos, empacotando as encomendas e levando-as para uma agência dos correios para serem enviadas.

Defensor de uma política de descontos agressiva, Jeff Bezos viu sua estratégia funcionar e o negócio deslanchar rapidamente. A Amazon fez tanto sucesso em seus meses iniciais que Jerry Yang, um dos fundadores da Yahoo, entrou em contato com Bezos para sugerir que eles incluíssem em uma das páginas do site a Amazon.com. Jeff topou e as vendas da sua empresa triplicaram após se tornarem parte da lista de um dos maiores portais da época. Em maio de 1997, fez a abertura de capital da Amazon na Nasdaq.

Na Amazon a frugalidade é a regra, não existem excessos. Com algumas exceções, não são feitas viagens na classe executiva. A decoração é simples e séria, e o refeitório não é de graça. Não existem espaços para relaxar na empresa e eles não oferecem massagens aos funcionários, práticas comuns em outras gigantes da internet. Talvez por isso, Jeff Bezos não seja tão querido por seus funcionários. Sua personalidade forte e a dificuldade em trabalhar com ele também são citadas como pontos negativos pela equipe. Entretanto, seu modelo de negócios se mostrou bastante eficaz. O empresário gosta de ordem e classifica seus funcionários em 12 níveis, sendo o 1 aqueles que movem as mercadorias nos depósitos e o 12 exclusivamente seu. Durante 8 anos abriu mão dos seus lucros na empresa – ele acredita em uma gestão a longo prazo.

Ao longo dos anos, diversificou muito os produtos oferecidos pela Amazon, seguindo a ideia de ter um site que pudesse oferecer de tudo, como o maior shopping online do mundo. Oferece, inclusive, produtos de preço baixo e de marca própria, a Amazon Basics. Embora não seja muito divulgada, a marca oferece artigos como pilhas, carregadores, cabos e capas, entregues apenas com as instruções, sem caixas. O objetivo é a eficácia, é oferecer produtos baratos, mas que sejam vendidos em um volume tão grande que as pequenas margens de lucros somadas se tornem significativas.

Outra de suas sacadas geniais, que hoje é comum em sites de compras, mas que durante anos foi exclusividade da Amazon, são as compras feitas com apenas um clique. Ele percebeu que essa estratégia simplificaria o processo para o consumidor e patenteou a ideia antes mesmo de fundar a empresa. Como sempre, Bezos prioriza as necessidades e a experiência do cliente. Inclusive, incentiva seus funcionários a passarem um tempo nos centros de atendimento ao cliente e nos depósitos e recebe até hoje e-mails dos clientes, encaminhando os que considera mais importantes para os responsáveis dos setores.

A Amazon também revolucionou o mercado editorial ao lançar o Kindle, um leitor eletrônico de livros, em 2007. Mesmo pensando na digitalização de livros há uma década, foi só após o lançamento do iPod, em 2004, que Jeff Bezos resolveu investir na ideia, como forma de proteger o seu negócio. O objetivo era criar um leitor digital leve, simples e com conexão sem fio. Outra de suas exigências em relação ao Kindle é que o aparelho deveria ser lançado com uma biblioteca que oferecesse 100 mil títulos digitais.

Blue Origin, o sonho do espaço

Jeff Bezos é fascinado pela investigação aeronáutica, e fundou no ano 2000 a Blue Origin, uma empresa privada de exploração espacial com sede em Kent, Washington (EUA). Segundo ele, a startup tem um objetivo filantrópico: desenvolver aeronaves reutilizáveis para tornar as viagens espaciais mais acessíveis e levar milhões de pessoas para morar e trabalhar no espaço.

Bezos manteve a Blue Origin em segredo durante anos; foi só em 2006 que se tornou pública, após uma compra de terras no oeste do Texas, aonde seriam construídas instalações para testes e lançamentos.

Em abril de 2015 a empresa fez o seu primeiro voo experimental no Texas, sendo bem-sucedida. Já em janeiro de 2016, a Blue Origin obteve sucesso no lançamento e aterrissagem de um foguete pela segunda vez, feito em Cabo Canaveral, na Flórida. Apesar dos testes bem-sucedidos, Jeff Bezos sabe que seu projeto deve levar bastante tempo para ser concluído. Mas ele está acostumado a trabalhar com objetivos de longo prazo e está disposto a continuar investindo pesado para que qualquer um possa “explorar” e viver no espaço.

Em uma entrevista, o empreendedor, hoje com 53 anos, contou que foi durante a infância, ao ver foguetes na televisão, que se encantou pela exploração espacial e que imaginava que atualmente nós já fossemos capazes de passear por todo o sistema solar. Para ele, a fortuna que fez com a Amazon torna possível seguir sua paixão pelo espaço. Seu objetivo é fazer com que qualquer pessoa possa fazer viagens comerciais pelo cosmos, além de colonizar o espaço.

A visão de Jeff Bezos

Jeff Bezos tem uma personalidade peculiar. Na infância, teve seu perfil traçado em um livro sobre crianças superdotadas. Embora não agrade a todos com seu jeito de ser, sua visão inovadora e revolucionária é reconhecida mundialmente. Algumas de suas principais ideias são:

  • Trabalhar duro faz parte da trajetória para alcançar o sucesso;
  • O cliente é o centro de tudo, é preciso ouvir o que ele tem a dizer e orientar as ações para atender as suas expectativas e necessidades;• Uma empresa deve ser orientada a longo prazo (pode gerar perda de lucro no início, mas os resultados a longo prazo compensam, pois preços baixos ajudam a conquistar a confiança dos clientes), pensar no futuro;
  • É preciso gostar de inventar;
  • Autossuficiência é uma vantagem; é preciso saber se virar sozinho. De há um problema para resolver, resolva;
  • É preciso ter pés no chão;
  • Manter o espírito de pioneirismo;
  • Observar a concorrência e absorver aquilo que ela faz melhor do que você é fundamental (sua política de preços baixos teve inspiração direta nas campanhas do Walmart);
  • Evitar gastos desnecessários (frugalidade);
  • Considerar sempre que você está começando – um de seus lemas é “Still day one” (ainda é o primeiro dia, em português) e pode ser visto reproduzido nas paredes e elevadores da Amazon;
  • Gestores devem ser missionários e não mercenários; ou seja, um empreendedor ou gestor de sucesso não pode ser orientado apenas pelo sucesso e pelos lucros (mercenário), é preciso ser apaixonado pelo que faz (missionário), isso acaba gerando melhores resultados no futuro, inclusive nos lucros.

Fortuna, fama e influência

Seus negócios extremamente bem-sucedidos tornaram Jeff Bezos um homem poderoso, com grande influência na área de negócios, comércio online e inovações tecnológicas. Alguns prêmios e conquistas reconhecendo o seu sucesso incluem:

  • Eleito a Pessoa do Ano em 1999 pela revista americana Time;
  • Em 2008 foi selecionado como um dos melhores líderes da América pela U.S. News & World Report;
  • No mesmo ano recebeu o título de doutor honorário em Ciência e Tecnologia da Universidade Carnegie Mellon;
  • Ganhou um prêmio de inovação (Innovation Award) da revista The Economist em 2011, juntamente com Gregg Zehr, pela criação do dispositivo Kindle;
  • Em 2012 foi 32º homem mais rico do mundo de acordo com a revista Forbes, tendo um patrimônio estimado de mais de 18 bilhões de dólares;
  • Também foi nomeado Empreendedor do Ano pela revista Fortune em 2012;
  • Em 2014, foi o melhor CEO do mundo, de acordo com a Harvard Business Review;
  • Em outubro de 2016, se tornou a 3ª pessoa mais rica do mundo, segundo a Forbes, com uma fortuna estimada em 72 bilhões de dólares;
  • Apareceu durante 3 anos seguidos na lista da Fortune dos 50 maiores líderes do mundo, tendo liderado a lista em 2015.

Sua figura é tão relevante no cenário atual que chegou a participar do filme Star Trek – Sem Fronteiras (Star Trek Beyond, no original), interpretando um oficial alienígena da Frota Estelar. Depois, participou também da Comic-Con em San Diego com o elenco do longa.

Além do seu maior empreendimento, a Amazon, e da empresa que contempla seu interesse espacial, a Blue Origin, Bezos também foi um dos primeiros investidores do Google. Ele investiu 250 mil dólares em 1998. Esse investimento resultou em pouco mais de 3 milhões de ações da empresa, que em 2009 já valiam quase 3 bilhões de dólares.

Seu investimento mais inusitado veio em 2013, ao comprar um dos mais tradicionais jornais americanos, o The Washington Post, por 250 milhões de dólares em dinheiro. Ele não envolveu a Amazon no negócio, que para ele era um território desconhecido e precisaria de experimentos. As mudanças implementadas por Bezos, principalmente na orientação da empresa aos dados e às mudanças tecnológicas, deram novo fôlego ao jornal, que viu as visitas na sua versão online crescerem cerca de 3 vezes, ganhando novamente espaço no mercado.

Também participou da criação de dezenas de outras empresas, como o Behance e o Uber.

Filantropia

Nos últimos anos, Bezos e sua esposa tem dedicado parte do seu tempo e fortuna à filantropia, apoiando diversas causas. Em julho de 2012, o casal fez uma doação de 2 milhões e meio de dólares para apoiar o referendo do casamento gay em Washington, que acabou sendo aprovado.

Entre os projetos que criaram e/ou apoiam podemos citar:

  • Recuperação de dois motores Saturn V encontrados no fundo do Oceano Atlântico, que em julho de 2013 foram identificados como parte do estágio S-1C da missão Apollo 11.
  • Doação de 42 milhões de dólares para o primeiro protótipo em escala real do Relógio do Longo Agora, um relógio mecânico projetado para funcionar por 10 mil anos.
  • Doação de 10 milhões de dólares para o Centro Bezos para a Inovação do Museu de História e Indústria de Seattle.
  • Fundação da Bezos Family Foundation, instituição privada fundada pelo casal Bezos com foco na educação de jovens e crianças.
  • Doação de 15 milhões de dólares para o Centro Bezos para Dinâmicas do Circuito Neural, no Instituto de Neurociência de Princeton.
  • A Bezos Family Foundation doou 10 milhões de dólares em 2009 e 20 milhões de dólares em 2010 para o Centro de Pesquisa do Câncer Fred Hutchinson.

Jeff Bezos também fez uma doação no valor de 800 mil dólares para a Worldreader, que leva e-books para pessoas de 53 países em desenvolvimento. Essa instituição foi fundada em 2010 por um ex-funcionário da Amazon, e até hoje já atingiu mais de 5 milhões de leitores no mundo todo.

Escrito por eGestor

O eGestor é um software online para gestão de micro e pequenas empresas.
Teste gratuitamente em http://www.egestor.com.br