fbpx

ERP: O que é e vantagens [GUIA COMPLETO]

Teste Grátis

A administração de uma empresa acontece diariamente, com processos e controle que devem ser feitos a todo momento. Esses processos são o que mantém a empresa funcionando, e esse controle é o que mantém as contas em dia e os produtos certos em estoque. Assim, a melhor maneira de fazer esse controle é com um sistema ERP.

Um sistema ERP é uma ferramenta para auxiliar na gestão dos recursos de uma empresa. Ou seja, o utilizando, a empresa tem um controle total de dados financeiros, de produtos e toda a organização.

Dessa forma, um ERP é o responsável por evitar erros e garantir mais produtividade e agilidade.

O que é ERP?

ERP é sigla para Enterprise Resource Planning, ou Planejamento de Recursos Empresariais. Ou seja, o ERP é uma ferramenta que auxilia na administração do negócio, desde o controle financeiro até o controle de estoque, passando por todos os outros setores da empresa.

Assim, os recursos empresariais que são planejados pelo ERP não são apenas seus produtos, mas tudo que deve ser controlado pelo negócio.

Dessa forma, o ERP garante um gerenciamento eficiente, diminuindo o esforço empregado, e aumentando a produtividade.

Por que o ERP é importante?

Administrar os recursos da empresa é o que mantém ela funcionando: controlar o financeiro e não ter custos maiores que a receita, controlar o estoque e não ter produtos a mais ou a menos… Todos esses passos garantem o funcionamento eficiente da empresa.

Com o auxílio de um ERP, todos esses recursos são controlados da melhor forma possível, sendo totalmente automatizados e integrados.

O uso do ERP garante uma análise certeira dos dados, uma vez que eles trazem as informações corretas. Assim, o financeiro tem seu fechamento ágil, considerando todas as informações de venda e compra, como o estoque, que tem todos os produtos especificados, justamente com a logística e produção.

Ou seja, o ERP é importante porque ele é responsável por garantir um controle geral da empresa de forma super efetiva.

As vantagens do ERP

Existem diferentes tipos de ERPs para diferentes tipos de empresas. Entretanto, as vantagens deles para a empresa devem ser as mesmas. Confira as principais vantagens de um ERP:

Melhora a tomada de decisões

Um ERP armazena e organiza as informações da empresa, por isso, na hora de tomar uma decisão, o responsável pode analisar todos os dados e assim, tomar a melhor decisão. Ainda, a ferramenta deve disponibilizar a opção de relatórios, para que esse processo seja ainda mais simples.

Uma vez que um ERP pode prover os dados de faturamento, inadimplência, quantidade de vendas, produtos em estoque, por exemplo, a decisão passa a ter uma base sólida. Ainda, ele permite a identificação de novas oportunidades, de forma eficiente e em tempo real.

Integração de setores

Todos os setores da empresa trabalham juntos, um não existe sem o outro, então, eles devem ser administrados juntos. A utilização de um ERP faz com que todos os processos sejam integrados, enviando informações de um setor para o outro, melhorando o controle.

Por exemplo, a emissão da nota fiscal depende de dados fiscais, financeiros e de estoque. Com o uso de uma ferramenta automatizada essas informações já estão integradas e a nota pode ser emitida com apenas um clique.

Além disso, com análises precisas, se sabe quantos produtos precisam ser comprados, quais os valores que devem entrar e quando, permitindo uma melhor tomada de decisões.

Redução de erros

Um controle automatizado assegura que os dados são integrados e que os cálculos estão corretos, diferente de quando o controle é feito de forma manual. Isso elimina qualquer possibilidade de erros, seja de informações repassadas, mas também de erros fiscais, que podem causar multas e penalidades para empresa.

Aumento da produtividade e agilidade em processos

A automação de um processo diminui a quantidade de trabalho empregada para chegar ao resultado final. Dessa forma, utilizar um ERP para automatizar a gestão da empresa garante uma maior agilidade, diminuindo o tempo empregado.

Ainda, a automação garante uma maior produtividade, uma vez que os dados são entregues de forma facilitada, que diminui a quantidade de trabalho mas que traz resultados assertivos.

Redução de custos

Uma empresa sem um controle de dados acaba tendo prejuízo em áreas e momentos em que não havia previsão. Isso não acontece quando uma ferramenta de gestão é utilizada, uma vez que ela permite fazer um controle mais assertivo desses dados.

Ainda, um controle financeiro bem feito garante que os custos e as receitas estejam equilibrados, evitando a necessidade de empréstimos, por exemplo.

Acompanhamento das vendas

Saber quais produtos ou serviços são mais vendidos e quando eles são mais vendidos é um divisor de águas para o negócio. Entender o desempenho dos produtos e quanto eles trazem de faturamento para a empresa permite um melhor controle financeiro e uma melhor visão de como o mercado se comporta.

Com essa informação, a empresa consegue entregar para o cliente o que ele realmente busca, assim como uma boa experiência.

Transparência e segurança

Todos os dados e permissões do ERP são fiscalizados e ficam com o responsável. Dessa forma, se tem toda a segurança de quem vê ou altera qualquer dado. Dessa forma, se tem mais segurança que as informações estão corretas, baseadas no que realmente aconteceu e uma transparência maior.

Exemplos de ERPs

Atualmente existem vários ERPs no mercado, atendendo a todos os tipos de empresas e suas necessidades. Alguns exemplos de ERP são:

  • Atacado e varejo: voltado para empresas que comercializam produtos, que precisam de controle financeiro, de estoque, emissão de relatórios e notas fiscais.
  • Serviços: pensado na prestação de serviços, esse ERP permite controlar a prestação de serviços, contratos e finanças. Ele também ajuda a controlar o financeiro e o lançamento de cobranças recorrentes.
  • Indústria: focado em indústrias, com módulo de produção, ajuda a otimizar e controlar os custos de produção, garantindo um controle de qualidade.
  • Saúde: pode ser voltado para cooperativas médicas, operadoras e planos de saúde, centros e redes clínicas ou hospitais. O ERP voltado para o setor da saúde tem como módulos principais o financeiro, a gestão de suprimentos e a gestão fiscal. Ainda, dependendo da necessidade, ele deve ter um módulo de consultas e informações de pacientes.
  • Jurídico: através de um ERP jurídico uma empresa de advocacia armazena e disponibiliza os dados necessários. Nele podem ser controlados dados como contratos, prazos e todo o gerenciamento de um processo.
  • Educacional: utilizado por escolas, universidades e cursinhos, um ERP educacional facilita a integração dos departamentos e entrega todos os dados sobre notas, matrículas e boletos. Dessa forma, é importante que a ferramenta consiga atender tanto a instituição quanto o aluno.

Como funciona um ERP

Um ERP funciona como uma central de informações de um negócio. Ou seja, na ferramenta deverão estar todos os dados financeiros, de produtos, de clientes e fiscais. Dessa forma, esses dados são utilizados para análise no fim de períodos, para controle e para tomada de decisão.

Uma ferramenta de gestão como um ERP é importante para o controle geral. Uma empresa que não faz o controle diário de financeiro, por exemplo, não consegue saber os valores que entram em caixa e os que saem. Dessa forma, na hora de fazer um pagamento maior, ou dispensar valores maiores em um investimento, não se tem ideia de como o financeiro está e se o valor pode ser utilizado.

O controle de estoque também é importante, uma vez que muitas vendas podem ser perdidas se não há um controle do que está ou não no estoque. Com essa gestão mais rigorosa é que se entende a sazonalidade do estoque, os produtos da curva ABC e onde investir mais.

Como funciona o ERP na empresa?

Ao utilizar um ERP em um negócio ele funciona integrando os setores de venda, estoque, financeiro, contabilidade e outros ambientes que a empresa possa precisar.

Assim, quando o vendedor faz a venda ao cliente, ele insere as informações principais: qual o produto, qual o valor e se houve desconto. Automaticamente, depois de salvo, o produto é retirado do estoque, uma vez que ele foi vendido.

Juntamente com a atualização do estoque, o controle financeiro também capta as informações: o valor pago, o que a venda gerou de lucro, se foi feita de forma parcelada, os juros e o que mais for necessário para uma boa visualização.

A nota fiscal também já pode ser emitida logo quando a venda for completa. Esse processo, que normalmente toma muito tempo e trabalho, se torna simples. Isso porque o sistema já tem todas as informações do produto e do financeiro, não havendo necessidade de reinserir informações.

O mesmo acontece com a compra de produtos de fornecedor, por exemplo. Quando o responsável atualiza a nota de entrada, o sistema identifica quais são os produtos que já existiam e atualiza o estoque. As formas de pagamento também são registradas no financeiro, informando ao fluxo de caixa quando deve ser paga e o valor.

Isso tudo acontece em uma plataforma completamente intuitiva, principalmente porque são diversos processos diferentes, que se forem feitos de forma manual, podem gerar erros.

Quais os objetivos e as funções de um ERP

O principal objetivo de um ERP é automatizar os processos manuais de um negócio e integrar todas as áreas da empresa. Ou seja, permitir que ao inserir uma venda, o produto seja retirado do controle de estoque, e os valores sejam especificados no financeiro.

Assim, baseado no objetivo, a principal função do ERP é permitir que os processos sejam integrados e que entreguem os resultados de forma simples e integrada.

Mas esse não é o único objetivo de um ERP, outros são:

  • Redução de custos: muitas empresas optam por outras maneiras de gerir o negócio pelo valor de um ERP. Mas, considerando que nem planilhas nem cadernos são gratuitos e eles possibilitam erros, o seu valor é consideravelmente menor.
  • Minimizar erros: utilizar uma ferramenta que integra totalmente os setores e onde se pode definir as permissões de cada usuário, faz com que os erros diminuam.
  • Controle de qualidade: ter um controle maior da empresa de forma geral garante que o atendimento seja melhor, e, quando utilizado para controlar uma produção, por exemplo, garante que o produto final seja o melhor possível.
  • Armazenamento de dados: tanto os ERPs online como os que são offline permitem o armazenamento de todos os dados e transações da empresa, permitindo saber quando a informação foi inserida.

Quanto custa um ERP

A resposta para essa pergunta é que ninguém quer ouvir: depende. Os valores de um ERP podem variar em relação a alguns fatores da empresa, seja a sua complexidade e tamanho, por exemplo.

Mas, podemos adiantar que os valores médios de ERPs no mercado brasileiro hoje variam entre R$ 30,00 em planos mais simples, para empresas menores; até R$ 500,00 para empresas maiores, com mais personalizações.

Ainda, as ferramentas ERPs possuem módulos e planos, fazendo que além das diferentes empresas, os valores variem em relação a necessidade de personalização ou processos.

Os principais fatores que influenciam no valor do ERP são:

  • Tamanho da empresa: Existem ERPs voltados para micro e pequenas empresas, médias e grandes empresas. É comum que as ferramentas voltadas para grandes empresas sejam mais caras, afinal, exigem mais em questões de recursos, como hardware, licenças e pessoas.
  • Complexidade dos processos: Uma empresa que tem processos mais complexos também pode pagar mais caro na ferramenta, uma vez que eles têm mais recursos e funcionalidades específicas. O valor está diretamente relacionado à demanda dessas necessidades.
  • Valores por módulos: As ferramentas ERPs são divididas por módulos, sendo eles financeiro, estoque, fluxo de caixa, vendas… Dessa forma, eles podem ser comercializados em partes, com módulos separados, ou em conjunto. Ainda, é comum que uma empresa solicite a compra de outro módulo ao longo do tempo.

Mas, além disso, também existem outros fatores que podem encarecer o ERP, como quantidade de funcionários, emissão de boletos e de notas fiscais.

Como escolher o ERP ideal para o seu negócio

Não se pode dizer que existe um melhor ERP no mercado, afinal, tudo depende da necessidade do negócio. Por exemplo, se uma empresa precisa de controle de produção, ela deve buscar o ERP que tenha um ótimo controle de produção.

Ainda, é possível testar por alguns dias para ver como a ferramenta funciona e se ela se encaixa com as necessidades da empresa. 

Também, se atente a dificuldade para utilizar a ferramenta, se ele não for intuitivo e você terá que utilizar o suporte ou uma implementação, verifique se não há nenhum custo a mais nesses serviços.

Lembre-se também de considerar a dificuldade de implementação do ERP. Afinal, existem ferramentas que precisam de um computador só para elas, imagine o trabalho, espaço e valor que isso não toma. 

Enquanto isso, existem ferramentas que são completamente online. Ou seja, sem nenhum custo ou dificuldade de implementação.

Atente-se no investimento e no retorno financeiro que ele trará. Por se tratar de um serviço, o ERP possui um valor. Normalmente, com pouco tempo de uso já se tem um retorno sobre o investimento feito. 

Isso acontece porque uma ferramenta de gestão faz com que o negócio entenda os gargalos que possivelmente estavam desperdiçando dinheiro. Portanto, faça-se as seguintes perguntas:

  • O ERP entende do seu negócio?
  • Quanto tempo a empresa tem no mercado?
  • A empresa possui um suporte confiável?
  • Os módulos são integrados?
  • O software é engessado?
  • Qual a tecnologia utilizada?
  • Possui uma equipe especializada?
  • Possui equipe comprometida?

Porque empresas utilizam ERPs

Empresas normalmente utilizam ERPs em função das suas vantagens. Afinal, eles permitem que uma empresa acesse informações atualizadas em tempo real, garantindo as informações e tornando qualquer processo mais eficiente.

Além disso, um ERP permite que sejam automatizados processos que, caso contrário, seriam feitos manualmente. Assim, se economiza tempo, dinheiro e diminui a possibilidade de erros.

Outro motivo importante para o uso de um ERP por empresas é que todos os dados são integrados. Ou seja, quando uma venda é feita, automaticamente os valores estão no financeiro e o produto é retirado do estoque, já atualizando a contagem e informando se é necessário realizar outra compra da mercadoria.

📒 Caderno

  • Sem geração de relatórios
  • Impossível ordenar ou filtrar dados importantes
  • Difícil de analisar o resultado da empresa
  • Atraso na anotação da venda pode incomodar os clientes

📉 Planilha

  • Apenas uma pessoa pode preencher as informações por vez
  • Sem integração
  • Relatórios extremamente limitados
  • Horas de curso de excel para executar ações do dia a dia
  • Sem suporte

eGestoreGestor

  • Integração de vendas, compras, financeiro, estoque e notas fiscais
  • Fácil de usar
  • Controle de permissões por usuário
  • Filtros avançados e mais de 50 tipo de relatórios
  • Sem retrabalho. Tudo simples e rápido

Principais módulos de uma ferramenta ERP

Como um ERP oferece diversas soluções para um negócio, ele possui diversos módulos, que auxiliam nas suas necessidades. Assim, alguns módulos que um ERP pode ter são:

Financeiro

É um dos módulos essenciais de um ERP, afinal, o financeiro é essencial para uma empresa. Assim, o módulo financeiro da ferramenta deve possuir algumas funcionalidades. Entre elas podemos citar:

  • fluxo de caixa
  • contas a pagar e receber
  • conciliação bancária
  • DRE

Assim, o responsável pode inserir as informações financeiras de uma venda ou um rendimento, se esse valor será recebido de forma parcelada, à vista ou até por recorrência. Também, aqui são emitidos recibos e a nota fiscal, utilizando os dados do financeiro.

Exemplo do módulo de controle financeiro de um ERP

Vendas

No controle de vendas do ERP serão registradas todas as movimentações de vendas realizadas pela empresa. Isso significa que todas as informações financeiras e de estoque devem estar registradas. 

Ainda, quando a ferramenta é totalmente integrada, ao inserir uma venda, o produto já retirado do estoque e os valores inseridos no financeiro, inclusive em vendas parceladas.

Nesse módulo também podem ser registradas as devoluções, que entram automaticamente no estoque.

Exemplo do módulo de vendas de um ERP

Compras

Para comercializar um produto é necessário fazer a compra do mesmo, negociar valores, conversar com vários fornecedores e pagar o frete. Por isso, ter um controle de todas as compras e principalmente dos valores delas, é muito importante. 

Também, se a compra for feita de forma parcelada, e a ferramenta for integrada, ela já é contabilizada no financeiro. E, assim que o produto chegar, ele entra no estoque.

Clientes

Este módulo é onde devem estar cadastradas todas as informações sobre seus clientes, fornecedores e até transportadoras. Nele é possível inserir todas as informações, por exemplo, no caso de um fornecedor já ter cadastrado dados como Inscrição Estadual, Municipal e CNPJ.

Produtos e serviços

Aqui é onde está tudo sobre seus produtos e serviços. Esse módulo do ERP é basicamente um inventário, mas com mais informações. Ele monitora todas as entradas e saídas, se o estoque está no limite e até os valores dos produtos, quanto foi pago e qual o preço de venda. 

É muito importante que ele esteja em dia, para saber o que se pode vender ou não e quando está na hora de fazer um novo pedido ao fornecedor.

Exemplo do módulo de produtos e serviços de um ERP

Fiscal

Um ERP também é emissor de notas fiscais. Dessa forma, ele precisa ter um controle dessas notas. 

Assim, com uma ferramenta de emissão e controle de notas integrada com os outros módulos, se tem mais agilidade e facilidade. Dessa forma, também se diminui os erros em relação a nota, uma vez que todos os dados já estão dentro da ferramenta.

Relatórios

Esse pode ser um principais pontos de um ERP, que não é tão valorizado. Os relatórios fazem com que seja possível visualizar as mais diversas e importantes informações do negócio. 

Por exemplo, entre os relatórios de venda temos o de ABC de produtos vendidos. Ele mostra quais produtos são os que mais trazem faturamento e quais os que não são tão importantes quanto parece.

Exemplo do módulo de relatórios de um ERP

Produção

Empresas que fazem a produção de um produto devem ter controle total de todos os passos, quantidade de matéria-prima e tempo de produção. E, esse tipo de controle também garante que a produção esteja de acordo com a demanda.

Utilização de ERP

Uma consultoria americana descobriu que apenas 27,6% das funcionalidades dos softwares são utilizados pelas empresas. 

Isso demonstra ao menos duas coisas: que as empresas usam a ferramenta mesmo necessitando de poucas funções, porque veem nele benefícios; e que parte delas não explora suficientemente a ferramenta para lucrar mais com ela.

Isso é muito comum no Brasil e na América Latina, onde o ERP é usado de forma básica. Seja por desconhecimento ou dificuldade interna na organização dos afazeres, muitas funcionalidades dos softwares e rotinas que eles dispõem são descartadas. 

Apesar desses percalços, analistas afirmam que a tendência é um aumento significativo na utilização. Seguindo especialistas em economia, há uma previsão de crescimento do país após a saída da crise. Por isso, empresas de ERP têm investido na possibilidade de expansão.

Desde 2010 as marcas conhecidas de ERP dominaram o mercado das grandes e médias empresas. Ou seja, as fabricantes consolidadas fecharam com as companhias de porte considerável, não deixando espaço para novas empresas. 

Essas, se quisessem chegar ao mercado, deveriam tentar atingir outro nicho, nas camadas de baixo. E foi assim que o serviço começou a ser desenvolvido para empresas cada vez menores.

Somado a esse fator, as empresas pequenas passaram a necessitar cada vez mais de uma organização precisa. Isso porque o governo brasileiro apertou o cerco na questão fiscal e organizacional. Mesmo programas como o “Simples Nacional” já não garantem mais simplicidade para os pequenos empresários. 

Cada vez mais o Excel e a caneta com papel são insuficientes para as organizações. Por causa disso, as ferramentas de gestão passaram a ser desejadas pelas milhões de empresas que se encontram nessa situação.

como escolher um ERP

ERP Simples

A primeira consequência desses acontecimentos listados acima foi o interesse das grandes marcas para cobrir esses pequenos clientes em potencial. No entanto, seus produtos não os satisfizeram, porque eles apenas “reciclaram” o sistema antigo. 

As desenvolvedoras forçaram uma falsa modernização, cortando pedaços do software de gestão para tentar vender. E, evidentemente, não tiveram muito sucesso.

Mas um novo mercado então se formou rapidamente, com muitos fornecedores de sistemas de gestão nas nuvens. O marketing dessas novas empresas inclusive vende o próprio produto como “simples” e “de baixo custo”. 

O desafio dessas marcas é fornecer um produto que tenha profundidade para cobrir as ações possíveis das empresas. Deve ser simples sem ser simplório. Abaixo mostramos um exemplo de sucesso no mercado, que tem conquistado muitas empresas.

Tipos de ERP e exemplos

Existem 3 tipos de ERP mais comuns. São eles:

  • Tradicionais ou legados: os ERPs tradicionais são os mais antigos. Normalmente eles são instalados e algumas vezes requerem até um dispositivo unicamente para ser o servidor. Com eles o serviço de suporte também é mais difícil e muitas vezes não acompanham o crescimento da empresa.
  • Engessados: Esses são ERPs mais baratos, que não proporcionam muitos benefícios e funcionalidades, por isso seu nome. Assim como os tradicionais, eles também não acompanham o crescimento do negócio.
  • Gratuitos: o que pode começar como uma boa ideia, no fim pode não ser. ERPs gratuitos ajudam a fazer o controle do negócio, porém, eles precisam ganhar dinheiro em outro lugar. Dessa forma, é possível que uma consultoria ou alguns módulos da ferramenta devam ser pagos. Geralmente, a empresa que opta por um ERP gratuito acaba tendo que migrar para outro que atenda todas as suas necessidades.
  • Back office: muitos podem até não considerar o back office um ERPs, porém, eles estão muito perto de ser. A diferença, e o motivo da separação, é que esses não contam com módulos para gerenciamento fiscal e contábil. Por ser de extrema importância para as empresas, acabam deixando na mão.
  • Omnichannel: a “tradução” de omnichannel pode ser multicanais, isso significa que o ERP omnichannel é uma ferramenta que atende as necessidades de vários canais do negócio. Ou seja, eles são mais completos, fazem o controle financeiro, de estoque, fluxo de caixa, boletos e outras demandas.

O processo de implementação do ERP

 Quando a empresa contrata uma ferramenta de gestão para o negócio, ela precisa estar preparada para o impacto que essa trará. 

A utilização de um ERP em uma empresa pode trazer uma estranheza no início, principalmente porque requer a colaboração de grande parte dos funcionários. Mas, quanto mais dedicados ao uso e mais cultural se torna o uso da ferramenta, maior produtividade e benefícios se tem.

Porém, com a utilização de uma ferramenta intuitiva, moderna e simples, a implantação de um sistema ERP acontece de forma fácil. Principalmente quando essa possui um suporte que realmente atende o cliente, todo o processo se torna totalmente descomplicado.

Conheça o eGestor

O eGestor tem a vantagem de ser totalmente online, dispensando qualquer tipo de instalação. Assim, ele é um ERP completo, compatível com todos os navegadores e sistemas operacionais. 

A simplicidade está também ligada à flexibilidade do uso, já que pode ser acessado de celulares e tablets e outros dispositivos com acesso à internet. 

Quando uma empresa contrata o serviço, poderá começar a utilizá-lo no mesmo dia, o que difere dos sistemas tradicionais usados pelas grandes empresas, cujo projeto pode demorar bastante tempo.

A empresa acompanha a instalação do sistema caso seja necessário. Outro motivo que tem agradado os empresários é o preço acessível do eGestor. 

Além disso, ele mantém a infraestrutura de servidores e de sistema, para que o cliente não tenha surpresas com o custo. Veja abaixo o que o simples ERP possui:

Controle financeiro

Ele permite um excelente controle e gestão do fluxo de caixa. As contas a pagar e receber possuem funcionalidades para acelerar o processo, com relatório de fluxo financeiro, fluxo futuro e DRE. 

É possível também fazer controle de comissões dos vendedores da empresa. O financeiro poderá saber quais são os clientes inadimplentes e descobrir onde está indo o dinheiro.

Controle de estoque

Mesmo simples, o eGestor oferece ferramentas essenciais para gerenciar o estoque. Ele permite encontrar a quantidade certa para o estoque, já que isso é uma dificuldade comum que os gestores de estoque enfrentam. 

O controle no software é integrado às compras, vendas e financeiro. Há relatórios sobre administração do estoque mínimo, estoque histórico por produto, estoque em data específica, movimentação de produto, sugestão de compra, produtos por fornecedor e muitos outros.

Controle de vendas

É possível fazer o pedido de venda informando os produtos e serviços e escolhendo a forma de pagamento. É possível emitir nota fiscal eletrônica do pedido e do orçamento das vendas. 

Em relação aos relatórios, há para vendas detalhadas, produtos vendidos, comissão, entre outros.

Nota fiscal eletrônica

O eGestor já tem um emissor de nota fiscal eletrônico que funciona em todas as unidades federativas do Brasil. Ele permite, por exemplo, o NF-e diretamente da venda, o controle do estoque e gestão financeira. Tudo online. 

É possível imprimir o DANFE e enviar por e-mail a clientes e importar arquivos XML dos fornecedores para evitar o trabalho de digitar notas fiscais da compra.

Qual é a melhor empresa de ERP?

Dados da Fundação Getúlio Vargas indicaram potencial crescimento do ERP no país. Há cerca de 300 mil empresas pequenas e médias no Brasil, segundo a classificação utilizada pelo IBGE. 

Apenas 25% delas possui um ERP desenvolvido por software especializado. Isso significa que existe um mercado muito grande a ser explorado pelas empresas de ERPs. 

Mas, não é possível indicar qual o melhor ERP do mercado. Isso acontece porque, pelo fato de existirem diversas empresas no ramo, cada uma tem seu foco. Isso traz diversas facilidades para algumas empresas. Assim, dependendo do ramo da sua empresa, existem alguns ERPs que podem atendê-la melhor. Mas, agora que você já sabe tudo que precisa saber para escolher um ERP para sua empresa, fica muito mais fácil!

A partir de uma pesquisa sobre eles, é possível identificar qual se encaixa melhor com seu segmento, qual irá trazer mais benefícios, qual tem o valor que melhor condiz com o caixa da empresa. Entre outras diversas variáveis que devem ser consideradas.

Banner-conversao-eGestor-blog
Início 9 Destaques 9 ERP: O que é e vantagens [GUIA COMPLETO]
Escrito em: 26/01/23
<a href="https://blog.egestor.com.br/author/pedro-henrique-escobar/" target="_self">Pedro Henrique Escobar</a>

Pedro Henrique Escobar

Pedro Henrique Escobar é formado em Administração e gerente de marketing no eGestor. O eGestor é uma ferramenta online para gestão de micro e pequenas empresas. Teste gratuitamente em: eGestor.

Comentários:

Compartilhe seu comentário, dúvida ou sugestão!

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar…

NFC-e (Nota fiscal de consumidor eletrônica) [Atualizado]

Emitir NFC-e Todo produto ou serviço vendido, deve ter sua comprovação fiscal e um dos meios de atestar essa transação é a nota fiscal. Afinal, ela dá segurança tanto à empresa que vende o produto, quanto ao consumidor que o compra....

ERP: O que é e vantagens [GUIA COMPLETO]

Teste Grátis A administração de uma empresa acontece diariamente, com processos e controle que devem ser feitos a todo momento. Esses processos são o que mantém a empresa funcionando, e esse controle é o que mantém as contas em dia e os...

Nota fiscal eletrônica: tudo o que você deve saber [ATUALIZADO]

A Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) é um documento cuja função é atestar a venda de um produto ou a prestação de um serviço. Ela foi desenvolvida com o objetivo de substituir alguns sistemas de impressão de documentos fiscais em papel. Assim...

Fluxo de Caixa: Guia de como fazer o da sua empresa

O que é o fluxo de caixa?O fluxo de caixa é o controle de todos os valores que entram e saem do financeiro da empresa. Qual o objetivo do fluxo de caixa?O objetivo do fluxo de caixa é garantir a saúde financeira do negócio, assegurando...

Faturamento: O que é, como calcular e aumentar o seu

Porque o faturamento é tão importante para a empresa? Porque ele é o valor, em dinheiro, que a empresa recebeu em um período. Assim, ele demonstra se o resultado foi satisfatório ou não. Com o acompanhamento se tem uma melhor ideia da...

Guia do MEI: Tudo sobre o MEI – Blog do eGestor

O MEI (Microempreendedor Individual) é um tipo de empresa voltado para formalização de profissionais autônomos. O custo para abrir um MEI é zero. Os impostos pagos pelo MEI são o ICMS, pela venda de mercadorias, o ISS, por prestação de...

Gestão empresarial: guia definitivo para o sucesso do seu negócio

Toda empresa precisa ter um objetivo, uma missão maior que guie todas as suas atividades. Independente de qual for esse objetivo, ele tem tudo a ver com a gestão empresarial. Isso porque é através de uma gestão empresarial competente e...

Controle financeiro empresarial: Como fazer passo a passo

Passo a passo para fazer o controle financeiro da sua empresa Faça o controle do fluxo de caixa Separe custos e receitas Planejamento de recebimentos e pagamentos Registre todas as operações financeiras Tenha um orçamento bem estruturado...

Controle de Estoque: Como fazer um controle profissional

Porque o controle de estoque é tão importante para a empresa? O estoque é o principal ativo de uma empresa, sendo a forma mais importante de fazer dinheiro. Por isso, ter total atenção a gestão do estoque é de extrema importância. Se a...

Nota Fiscal de Serviço Eletrônica (NFS-e): o que é e quem emite

A NFS-e, ou Nota Fiscal de Serviço Eletrônica, é um dos tipos de notas fiscais que existe juntamente com a nota fiscal, a nota fiscal do consumidor e o conhecimento de transporte. Elas são úteis para empresas que tem como uma das funções...