Jack Welch

O empresário e escritor Jack Welch construiu uma carreira de tanto sucesso, que conseguiu reescrever a forma de gerir os negócios. É considerado por muitos como o melhor administrador de empresas e executivo de todos os tempos, construindo um legado que serve de base para quem deseja fazer uma carreira de sucesso.

O engenheiro químico se tornou presidente da GE durante 20 anos, e conseguiu tirá-la da estagnação para se tornar uma das maiores organizações do mundo. Tudo a partir de uma gestão inovadora, audaciosa e agressiva que se tornou tão lucrativa quanto segura.

Sua forma de gerir era simples e prática, como a aquisição de novas empresas ou a venda das que são pouco rentáveis, sem apegos e com foco no futuro.

Biografia de Jack Welch

O americano Jack Welch nasceu em Salem, Massachusetts, em 19 de novembro de 1935. Formou-se em Engenharia Química na Universidade de Massachusetts e deu sequência aos estudos, recebendo o título de doutor também como engenheiro químico da Universidade de Ilinois.

Em 1960, começou a trabalhar na General Eletric (GE) como engenheiro químico assim que terminou sua primeira graduação, onde construiu uma carreira vigorosa e sólida e saiu ao se aposentar, em 2001.

Desde o início de sua carreira, Jack Welch passou por inúmeras promoções até chegar ao ápice, como presidente da empresa. Ou seja, ele só colheu bons frutos pela sua postura diferenciada e tão bem-sucedida.

Sem nunca se acomodar, Welch conquistou inúmeras promoções através de estratégias agressivas de marketing nos setores de plásticos. Assim como nos setores de bens de consumo e serviço da empresa. Em 1981 se tornou presidente e CEO da corporação, de onde só saiu 20 anos depois, ao se aposentar.

Em 2000 ganhou o prêmio de Gerente do Século pela revista Fortune. Também recebeu o prêmio da revista Chief Executive por seu trabalho em CEO, e foi chamado o Maior Líder Mundial da atualidade pela revista Fast Company.

Modelo de Liderança

Seu histórico como presidente da GE é brilhante, tudo porque adotou um modelo de liderança que nunca havia sido implementado antes e que serve hoje de exemplo para todos os empresários que desejam ser bem-sucedidos.

O carro chefe de sua gestão é a forma habilidosa com que tomava decisões nos negócios. Deu poder aos gestores dos setores para que pudessem resolver as questões de seu nicho e, caso não conseguissem, Jack Welch simplesmente os substituía para que outros pudessem resolver.

Sem o apego apaixonado pelo negócio, e sim muito foco em ter ações para a corporação, Welch conseguia vender empresas lucrativas caso houvesse alguma hipótese de perderem o fôlego no mercado. Criou uma filosofia que avaliava se deveria manter um negócio ou vendê-lo. Através de uma pergunta e sua resposta, ele tomava a decisão adequada. A pergunta é “se você tem um negócio e sabe muito bem como funciona, se tivesse e pudesse voltar ao passado e surgisse uma oportunidade, compraria esse mesmo negócio?”. Se a resposta fosse positiva ele mantinha a empresa; em caso de negativa, a vendia sem nenhum apego.

A partir de posturas objetivas como essas, Jack Welch conseguiu transformar a GE. Quando assumiu a presidência, a empresa estava não só estagnada no mercado como com muitos problemas de gestão. Com a visão de que só o que é melhor para GE importava e de que os negócios e decisões da empresa fossem as melhores do setor no mercado, ele conseguiu transformar a empresa numa gigante corporativa.

A GE teve um crescimento global estrondoso. Em 20 anos se tornou uma referência consolidada de liderança, capacidade de desenvolvimento e qualidade máxima em tudo que faz. Os produtos que possuem a marca da GE são os melhores e mais resistentes tecnicamente, garantindo a segurança da sociedade.

Guia de Gestão Estratégia

Os Cinco Conceitos de Liderança Participativa de Jack Welch

Jack Welch tem cinco conceitos básicos que aplicava na GE, e garante que as empresas que pretendem atingir a excelência do negócio também precisam aplicar.

1 – Construir uma missão: é a missão que irá direcionar o foco da empresa, sendo o mais transparente possível para que colaboradores, gestões, clientes e fornecedores possam compreendê-la da mesma forma. O funcionário deve conhecer, utilizar e seguir a missão de forma integral e completa.

2 – Construir valores: é a condução da missão. Com funcionários comprometidos com a missão e os valores da empresa, eles podem agir com alto desempenho para a concretização dos resultados. Incentivando assim os outros a agirem da mesma forma e tornando um ciclo positivo de conquistas de metas e reconhecimento em formas de recompensas pelos gestores.

3 – Manter a comunicação: os funcionários precisam ser informados sobre suas ações, tanto positivas quanto negativas, para que possam manter o foco ou fazer as mudanças necessárias para melhorar.

4 – Diferenciação: esse fator, segundo Jack Welch, é obrigação de toda empresa. Quando um líder reconhece o empenho e qualidade de um funcionário e o promove, estará estimulando não só o que está sendo promovido, mas também todos os outros. Isso mostra aos funcionários que, com seu empenho, podem conseguir crescer na empresa.

Um funcionário que sabe que a empresa olha para suas ações, compreende sua dedicação e lhe oferece recompensas por elas, se torna fiel e dedicado, com um empenho ainda mais superior.

O ato de diferenciar um funcionário por motivos meramente emocionais, pessoais ou de interesses fora do âmbito profissional traz um efeito exatamente oposto ao desejado, e em pouquíssimo tempo contamina os funcionários, que acabam desacreditando da missão e dos valores da empresa.

A visão é idêntica à posição dos produtos da empresa no mercado. Quando se oferece um bom produto, de qualidade indiscutível, os clientes o valorizam comprando, indicando aos amigos e parentes e preterindo a concorrência.

5 – Liderança:líder é aquele que sabe dizer ‘sim’ e ‘não’ nos momentos corretos. Também consegue apontar erros e acertos de seus colaboradores e os seus próprios. Sabe falar na hora certa e com uma postura que agregue informação e estimule, não o contrário, baseado em medo e humilhação. Ele também sabe ouvir em todos os processos e procedimentos.

O processo de liderança é também o de coragem em colocar um projeto em execução, atento às mudanças e dificuldades que sofrerá no caminho. Precisa-se de coragem também para mudar na hora certa, e perder o menos possível de custos e desgastes. Ele precisa servir de exemplo aos seus funcionários como uma pessoa humana, que também pode cometer erros e é capaz de se renovar.

O líder faz com que os funcionários conheçam e pratiquem a missão e os valores da empresa, focando neles acima dos valores individuais. Mas não basta apenas apresentar os valores e acreditar que seguirão, e sim gerar ações que façam com que eles sejam seguidos. Um líder é direcionador, capaz de fazer com que a equipe siga um determinado caminho através do comprometimento e regras de conduta. Quanto mais o líder se compromete com sua equipe, mais ela se compromete com ele e com a empresa.

Jack Wech também acredita que qualquer pessoa pode ser um líder, que isso não é um dom e sim uma habilidade adquirida. É preciso decidir ser líder e se inspirar em grandes lideranças para alcançar a meta desejada.

As 20 Lições de Jack Welch

Depois de se aposentar como CEO e presidente, Jack Welch escreveu 51 livros de muito sucesso, sendo que dois são as maiores referências de gestão de negócios de todos os tempos: Jack Definitivo e Winning.

A partir das inovações definitivas que implantou no mundo dos negócios, hoje Welch faz palestras e administra a divulgação dos livros que escreveu. Neles, Jack Welch demonstra com detalhes o passo a passo utilizado rumo ao sucesso, as características necessárias de um líder e como fazer uma empresa sair da estagnação e crescer ao sucesso.

Ele observou que muitos líderes fogem das decisões, e o quanto essa falta de atitude prejudica a equipe e a empresa. Para Welch, é a franqueza o fator crucial entre a derrota e o sucesso, já que, sem ela, não há fluxo de ideias criativas nem rapidez nas decisões. Com um clima de informalidade, a honestidade se sente mais à vontade em se expor, fazendo com que gestores e funcionários se permitam feedbacks positivos e francos. Um líder que se coloca acima dos seus funcionários impede a construção de solidez em sua equipe e a prática dos valores e missões da empresa.

Com frases inspiradoras como “controle o seu destino ou alguém o controlará”, Jack desenvolveu 20 lições primordiais para ser aplicada por qualquer empresa que deseje crescer:

1 – Faça mais do que esperam

Essa primeira lição mostra que existe dois tipos de pessoas: as que estão sempre condicionadas a fazerem o que esperam delas e reclamam da falta de oportunidade e do excesso de dificuldades profissionais. E as que fazem mais do que esperam delas e gostam da sua atividade profissional, o que acaba sendo um incentivo para se dedicarem com mais intensidade, não lhe faltando oportunidades.

Quem deseja se destacar e fazer sucesso, precisa ir além do que se espera.

2 – Líder

Líder é a pessoa em que as outras se inspiram. É quem faz com que elas deem o seu melhor e sejam capazes de se superar. Ele traz energia, foco e entusiasmo para a equipe, tornando o ambiente de trabalho um local de ideias criativas, oportunidades e disposição.

Um gestor controlador, que causa medo à sua equipe, não é um líder, apenas faz com que todos se acomodem em suas funções e sejam apenas eficientes no que foi proposto, minando a criatividade e a fluência necessária de ideias.

Para Jack, “um líder não é alguém a quem foi dada uma coroa, mas alguém a quem foi dada a responsabilidade de fazer sobressair o melhor que há nos outros”.

3 – Gerencie menos

O excesso de burocracia e controle minam a criatividade. Quando um gestor é controlador, ele impede que a liderança essencial de seus funcionários seja exercitada.

Cada um tem sua responsabilidade e precisa ter liberdade para cumprir suas tarefas adequadamente. Cabe ao gestor apoiar, estimular e alimentar seu funcionário com informações, não enquadra-lo.

4 – Seja menos formal

A formalidade é algo cada vez menos incentivado nas empresas, já que torna o ambiente mais pesado e cheio de restrições. Quando ela quebra o muro da formalidade e permite que as relações entre líderes e colaboradores sejam mais acessíveis, o fluxo de ideias pode acontecer de forma livre e sem receios.

5 – Energize as pessoas

Um grande líder tem a capacidade de energizar as pessoas, e dar a elas o combustível que precisam para se superarem. A qualidade de incentivar outras pessoas é rara e essencial para se construir um ambiente inovador.

6 – Crie uma visão e atraia a equipe para tornar essa visão realidade

Um sonho só pode se tornar realidade se houver empenho para que ele se concretize. E é essa vontade real, a paixão pela sua realização, que torna o ambiente envolvido e incentivado para que isso aconteça.

Quando um líder sabe energizar e trazer o que há de melhor de cada um, ele facilmente é capaz de trazer todos para que a mesma paixão se realize.

7 – Tenha foco constante na inovação

Empresas realmente competitivas são as que estão sempre em busca da inovação e da renovação. Elas não ficam estagnadas com um sucesso, pois sabem que, para se manter no auge, precisam surpreender o mercado com algo ainda melhor do que sempre apresentaram. E é esse o foco que o líder precisa ter; o de nunca se acomodar.

Estudar, ler, se informar, participar de palestras e seminários, se manter sempre em contato com as tendências e novas tecnologias, ajudam a estimular a mente a criar novos conceitos, produtos e maneiras de gerir. Assim como saber ouvir, já que novas ideias podem surgir até mesmo de simples comentários.

8 – Veja as mudanças como oportunidades

As mudanças acontecem para que as coisas se movimentem. Mesmo que aparentemente sejam um incômodo, estar aberto a elas é uma grande vantagem. É o poder de renovação e transformação que é testado o tempo inteiro pelas circunstâncias da vida, e que fazem toda a diferença entre quem tem ou não liderança e capacitação.

Segundo Jack, “quando o ritmo da mudança dentro da empresa for ultrapassado pelo ritmo da mudança fora dela, o fim está próximo”.

9 – Encare a realidade

Um gestor precisa encarar a realidade como ela é, sem usar subterfúgios ou máscaras para disfarçar. A honestidade e a decisão firme são as melhores ações para equipe e para resolver os problemas. Ter resistência em aceitar a realidade é uma das piores ações que um líder pode tomar.

Jack Welch aconselha que ele “encare a realidade como ela é, não como foi ou como você deseja que ela seja”.

10 – Envolva todos

Cada indivíduo dá sua contribuição para o conjunto das ações da equipe. Valorizar o que cada um tem para oferecer proporciona mais entusiasmo e responsabilidade a todos.

11 – Receba ideias de todos

As grandes ideias não são exclusividade dos gestores; elas podem acontecer com qualquer colaborador. Alguém, em algum lugar, pode ter uma ideia revolucionária, mas nem sempre pode ter a oportunidade de ser ouvido.

Aceitar as ideias de todos é uma grande oportunidade de encontrar inovações proveitosas, além de incentivar a equipe a pensar e se envolver com o crescimento da empresa.

12 – Elimine limites

Uma equipe com fronteiras não consegue ser livre para atingir a inovação. O fluxo deve ser constante de ideias, sem limitações, para que todos possam se sentir à vontade de melhorar os rumos da empresa.

13 – Crie uma cultura de aprendizado

Nenhuma empresa consegue crescer de verdade com funcionários que pensam saber de tudo. A carreira profissional de todos, sejam os gestores ou colaboradores, só cresce com constante aprendizado, troca de ideias, autoavaliação e comunicação.

14 – Dê atenção aos valores

Os números são importantes, mas não podem suprir os valores da empresa e das pessoas. Cuidar da equipe na troca de ideias e na missão da empresa é condicional para que haja solidez no crescimento e no sucesso alcançado.

15 – Follow-up

Tudo, todos e o tempo todo precisam de um follow-up. Isso não significa impor limites e nem controlar as ações dos funcionários, mas estar atento a tudo que acontece no setor para poder ajudar e fazer alterações, quando necessário.

16 – Simplifique

Quando mais simples as ações e informações, melhor serão compreendidas e efetivadas.

17 – Seja número 1 ou número 2

Só é capaz de vencer quem está nas primeiras posições. São essas pessoas que podem controlar a própria vida, criar uma base sólida e determinar seu destino.

Quem é o número um ou dois para uma empresa, pode ser usado por ela para fazer a diferença. Já as outras posições não tornam ninguém um vencedor.

18 – Faça com qualidade

Quando a busca é ser referência para o cliente, o objetivo não é apenas fazer algo melhor que a concorrência, e sim algo único. Naturalmente que, num mercado competitivo, muitos podem tentar alcançar sua qualidade, mas é o foco em se superar que vai levar a empresa a esse ponto.

Jack afirma que “a qualidade é a nossa melhor garantia da fidelização do cliente, a nossa mais forte defesa contra a competição estrangeira e o único caminho para o crescimento e os lucros”.

19 – Faça rapidamente

Perder tempo é mais que perder dinheiro, mas também oportunidade, espaço e até o entusiasmo. Muitas vezes é na demora e no atraso que a concorrência conquista seu espaço.

Faça agora, não deixe para depois. Não se contamine com o ócio e o tédio, aja de forma efetiva para que a ação seja completada o mais rápido possível.

Para Jack Welch, “é melhor agir rápido demais do que esperar tempo demais”.

20 – Divirta-se!

Ninguém deveria trabalhar em algo que não gosta. É quando se acorda com entusiasmo para exercer sua tarefa que se percebe o quanto é importante fazer o que gosta. E isso é simplesmente se divertir.

Livros Lançados por Jack Welch

Jack Welch trabalha como palestrante e escritor bem-sucedido de livros para administração de empresa e marketing. Diretor de sua própria empresa, a Jack Welch. LLC., presta consultoria para empresários ligados à Fortune, viaja pelo mundo dando palestras e escreve semanalmente uma coluna na revista Business Week. Ou seja, ele mantém uma vida agitada e ativa, mesmo depois da aposentadoria como presidente.

Seus livros servem de estímulo, incentivo e conquista para os leitores que desejam sair do marasmo e fazer diferente, se tornar especial. São 51 publicados, seja de sua autoria, com parcerias ou com seus ensinamentos, e os mais procurados são:

  •  Paixão Por Vencer (Winning): é o mais representativo de todos os já publicados, um grande bestseller. Ele oferece respostas ao leitor, para perguntas realmente desafiadoras no meio empresarial. O objetivo do livro é atingir pessoas de todos os níveis de uma organização, para que possam compreender a importância de aprender a superar seus limites.
  • O MBA da vida real: escrito por Jack Welch e sua mulher Suzy Welch, nesse livro eles abordam temas muito atuais, como crescer diante da crise, recuperação de competitividade perdida, a maximização da performance da equipe e como conseguir conquistar a carreira dos sonhos, tudo através de conselhos objetivos e esclarecedores, que saem das velhas teorias de gestão e apresentando fatos concretos.
  • Vencer: Também escrito em parceria com sua mulher, Jack mostra, com uma visão bem otimista, a capacidade de cada um em vencer e conquistar seu sucesso profissional e financeiro. Ele expõe fatos de sua carreira bem-sucedida, apresentando um relato bem intimista e encorajador. Um dos mais vendidos da carreira de Welch, ele é um livro cheio de pensamentos originais e soluções práticas, capazes de modificar sua conduta no trabalho.
  • Jack Definitivo: autobiografia de Jack Welch, escrita por ele mesmo em parceria com John A. Byrne. O livro mostra a expansão da GE provocada por Welch, uma empresa que cria motores de avião, geradores de energia, produtos de plástico, sistemas médicos e até serviços financeiros, não só um sucesso no ramo empresarial, mas também referência máxima de qualidade.

A obra atinge diretamente o objetivo, que é proporcionar os princípios de um negócio bem-sucedido através da liderança, contratação e progresso.

A inspiração para escrever esse livro veio a partir de uma entrevista para a revista Business Week, onde centenas de cartas pediam conselhos ao empresário. O que mais motivou essas pessoas a procurá-lo foi sua afirmação de que ele jamais mudou sua personalidade, independentemente da posição que ocupou e da situação que viveu.

No livro, Jack mostra ser possível que uma empresa possa ser gigante nos produtos que comercializa, mas também na gestão de pessoas e no seu desenvolvimento. Tudo a partir da valorização das equipes e da capacidade individual de cada um.

Ele também discorre sobre sua trajetória de vida, suas escolhas e como conseguiu se tornar presidente da GE, além de listar nominalmente as pessoas que o ajudaram. Ele relembra que conseguiu transformar uma indústria numa grande corporação principalmente a partir das relações interpessoais.

Gostou do texto? Deixe um comentário !

Escrito por eGestor

O eGestor é um software online para gestão de micro e pequenas empresas.
Teste gratuitamente em http://www.egestor.com.br