fbpx

Como montar um minimercado: Dicas e orientações

Em tempos de crise, alguns segmentos ainda encontram fôlego na economia. Como o setor de alimentação, tecnologia da informação e o de suprimentos.

Assim, montar uma lanchonete ou um minimercado pode ser um ótimo investimento. Por exemplo, um minimercado é indispensável em um bairro com grande fluxo de moradores. Seja ele de atividade comercial ou apenas residencial.

Uma das vantagens do minimercado é que não há necessidade de uma grande quantidade de estoque. Ou imóvel de grande porte. Muitas vezes, basta um espaço amplo e a vontade de trabalhar.

O faturamento é certo, pois apesar da pouca variedade de itens, os alimentos e produtos oferecidos são de primeira necessidade. Segundo a Associação Brasileira de Supermercados – Abras, em 2012, o faturamento médio mensal dos minimercados foi de R$ 139 mil.

Contudo, o que faz um minimercado tomar impulso e ampliar cada vez mais o faturamento? A seguir, temos algumas dicas de como montar um minimercado.

Como montar um minimercado?

Analisada a viabilidade do negócio, procure um contador e estude junto a ele o regime contábil (Simples Nacional e outros) que melhor se enquadrar à sua empresa. Enfim, os primeiros passos para abri-lo são:

  • Obter o CNPJ através do registro na Secretaria de Receita Federal;
  • Registrar o negócio na Junta Comercial do Estado, na Receita Estadual e na Prefeitura;
  • Enquadrar na Secretaria Estadual da Fazenda;
  • Cadastrar na Secretaria de Receita Federal;
  • Obter autorização do Corpo de Bombeiros;
  • Obter a Indicação de Responsabilidade Técnica da ANVISA;
  • Obter o cadastro Municipal de Vigilância Sanitária; e
  • Confirmar o enquadramento no CNAE.

Minimercado pode ser MEI?

Sim, um minimercado com CNAE 4712-1/00 – Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos alimentícios – minimercados, mercearias e armazéns, pode ser MEI.

Estrutura do seu minimercado

Localização

Estudando sobre como montar um minimercado, o primeiro ponto favorável é a localização, acompanhado da variedade de itens que o negócio possa proporcionar. Por exemplo, em bairros com maior fluxo, um minimercado bem localizado e com boa aparência, tende a atrair mais clientes. Pois transmite credibilidade, conforto e segurança.

Primeiramente é preciso levar em consideração o objetivo do negócio (atender a demanda ou crescer e ampliar); o público alvo que se quer atingir; a concorrência existente (como trabalha? Há quanto tempo está atuando? O que oferece de interessante? Como é a sua experiência de serviço?); as condições do imóvel e as vias de acesso.

A localização e a estrutura do seu minimercado devem levar em consideração alguns pontos. Como há um grande volume de carregamento chegando, provável que seja diariamente, se não houver uma área de carga e descarga de fácil acesso, esse processo pode ser tornar mais trabalhoso do que já é. 

Independente de ser uma área residencial, muitas pessoas utilizam carros ou outros meios de transporte para ir fazer suas compras. Portanto verifique se o espaço de estacionamento é amplo e ligado ao seu empreendimento, para facilitar que seus clientes transportem as compras.

Composição interna

Após realizar todo o processo burocrático de como montar um minimercado e decidir onde será localizado, o próximo passo é pensar na montagem do espaço físico. Assim sendo, é importante lembrar que o que caracteriza um minimercado é uma área de vendas de até 150m² ou até 4 caixas de check out.

Espaço interno

Dentro de seu minimercado, também é possível investir em um pequeno escritório para que se possa realizar a gestão administrativa do negócio e espaços destinados a banheiros para clientes e funcionários.

Invista em corredores amplos e espaçosos, visando um melhor conforto para seus clientes. Desta forma, carrinhos e cestinhas devem ser compatíveis com o tamanho disposto no seu corredor. Se for possível, coloque um armário com divisórias e chaves para que seus clientes guardem sacolas, bolsas ou outros pertences durante o tempo de compra.

Na área de caixas, que normalmente se encontram na saída do seu negócio, é onde seus fregueses passam mais tempo sem procurar algo na lista de compras. Sendo assim, produtos dispostos em displays posicionados perto do caixa chamam atenção e geram compras impulsivas. 

Exibição dos produtos

Não se esqueça de adquirir geladeiras ou freezers para armazenar bebidas e sorvetes. Além dos equipamentos para organizar o seu estoque, também será essencial possuir entre 1 e 4 caixas, cadeiras para os profissionais que trabalharão como atendentes de caixa, calculadoras, máquinas de cartão de crédito e débito, cofre e sacolas para embalar os produtos dos clientes.

Atenção redobrada a higiene por ser um comércio relacionado a área de alimentação. Portanto também evite posicionar alimentos e produtos de limpezas juntos.

Time de vendas

Equipe

Não será necessário contar com uma grande equipe de trabalho para o bom funcionamento de seu minimercado. Entretanto, é necessário alguém que atenda no caixa.

Se sua padaria conta com áreas diferentes para padaria, confeitaria e açougue, tente ter um funcionário para cada espaço, em horário de pique, esses possuem fluxo maior de pessoas.

Hábitos

Para entender como montar um minimercado um dos pontos a se analisar, é o da economia. Pois em tempos de crise, a população opta por produtos mais baratos e com promoções vantajosas. 

Não se fixe na ideia de que o negócio é rentável mesmo em tempos de crise para continuar as coisas como são. Assim as compras podem diminuir, pois a crise afeta todos.

As tendências do consumidor também variam muito. Por exemplo, hoje as pessoas estão mais focadas em comprar produtos mais saudáveis. Isso pode mudar, fique atento.

Nível de Serviço

Quando um mercado – seja de grande ou pequeno porte – deixa de oferecer produtos que são bastante procurados, a tendência é perder dinheiro.

Não adianta culpar os fornecedores, pois é como se o proprietário assistisse de braços cruzados alguém rasgar seu dinheiro. Logo, é preciso manter as prateleiras sempre em ordem, cuidar para que nenhuma espécie de produto fique em falta e quando isto ocorrer, que haja uma opção à altura.

Inclusive, manter os produtos sempre na mesma ordem que o cliente já conhece, é imprescindível. Afinal, o consumidor quando chega a um minimercado quer toda comodidade que este oferece. Visto que é rápido de chegar, mais fácil de encontrar os seus produtos preferenciais e o atendimento é sempre cordial e amigável.

É importante armazenar no estoque alimentos básicos para o dia a dia e que sejam de fácil reposição, como arroz, feijão, café, dentre outros. 

Em caso de defeitos e problemas, uma resposta rápida ao cliente faz toda diferença. Afinal, quem tem o poder de demissão são os clientes, que quando viram as costas, demitem a toda uma empresa, desde o diretor geral ao mais humilde funcionário.

Como hoje tudo pode ser feito pelo celular, fique atento a novos aplicativos. Visto que já existem vários que fazem sua compra pra você e entregam na sua casa. Inclusive alguns possuem códigos de desconto que fazem o delivery ser gratuito. Além de se aliar a eles, procure manter o mesmo padrão para sua clientela. 

Marketing de Relacionamento

Bom treinamento reflete em ótimo atendimento. Mesmo assim, um minimercado não precisa contar com uma grande equipe. Mas é preciso que os funcionários que trabalham no local sejam dedicados, atenciosos e preparados para responder a todas as dúvidas referentes aos produtos que a loja vende. Por isso, gentileza e educação são importantíssimas.

Muitos clientes abandonam um minimercado, pela falta de educação dos funcionários, que preferem ficar conversando em vez de atender as dúvidas do consumidor.

É preciso conhecer quem são os clientes mais assíduos deste mercado, que compram semanalmente, os vips, compram todo dia, os esporádicos, que compram a cada 3 meses, e os ex-clientes que já não compram mais.

É possível traçar estratégias de campanhas e promoções específicas para cada tipo, atraindo os que não compram mais e os que ainda não conhecem o serviço. Isso tudo torna a compra no local mais atrativa.

Algumas marcas disponibilizam visitas a fábrica, degustação, cursos e outros. Em vista disso, invista nesse tipo de treinamento para seu funcionário ter o conhecimento suficiente para responder qualquer pergunta que seu cliente tiver.

Fornecedores e produtos

Essa é uma etapa que exige atenção em como montar um minimercado. É preciso pesquisar preços. Para isso, busque fornecedores competentes e que possam prestar serviço ao melhor custo benefício. Diante disso, negocie bons volumes com a condição de baixar os preços unitários nas prateleiras.

Mantenha alguns dos itens mais vendidos em estoque, como arroz, feijão, macarrão, café.  Assim, no caso das carnes, é recomendável fazer parcerias com açougues já que não devem ser guardadas em estoque.

O hortifrúti deve ter um cuidado especial. Por serem alimentos que estragam mais rápido e têm uma rotatividade maior, é de suma importância saber como descartar e o tempo que podem permanecer expostos.

Em relação a alimentação, você também pode optar por oferecer produtos mais supérfluos como chocolates, balas e guloseimas em geral.

Também é essencial que seu minimercado comercialize produtos de higiene pessoal como shampoos, sabonetes, papéis higiênicos, absorventes e desodorantes.

Quanto mais produtos e mais variedade você tiver, melhor. Isto torna o minimercado mais competitivo na região. 

Divulgação

As melhores e mais usadas estratégias utilizadas por esse ramo são a entrega de folders, informando os produtos disponíveis no estoque e promoções. Além da utilização de carros de som informando a existência do empreendimento e divulgando as principais ofertas do dia no estabelecimento.

Banners e cartazes espalhados pela vizinhança e fixados no seu estabelecimento também chamam a atenção. Como normalmente a diferença de preço entre mercados é pouca, sempre que houver possibilidade de fazer uma promoção faça algo chamativo dentro da sua estratégia de divulgação.

Financeiro

Economia

Se a variedade dos produtos for satisfatória aos clientes, a tendência também será de crescimento, afinal, cliente que chega à gôndola e não encontra o que gosta de usar ou comer, vai embora.

Seu primeiro maior gasto – a não ser que você vá comprar um imóvel – é com o estoque. E ao começar o empreendimento novo, é fundamental ter seus expositores cheios. Ao longo do tempo, é preciso comprar apenas o que vai sendo vendido ou algum produto novo. Por isso, fique atento a ter variedades de marcas, sabores e qualidades.

Segundo a ABRAS, 35% dos minimercados faturam R$ 200 mil por mês, enquanto 15% possuem rendimentos entre R$ 50 mil e R$ 100 mil mensais. Os outros 15% faturam até R$ 50 mil por mês.

Caso você seja novo neste segmento, procure ajuda de um contador, administrador ou consultante para lhe ajudar com esses assuntos financeiros. Principalmente se estiver investindo nessa sozinho. 

Plano de negócios

O planejamento é absolutamente imprescindível para o sucesso de qualquer negócio.

A partir da elaboração de um plano de negócios, você pode estabelecer as estratégias de vendas que serão adotadas em seu minimercado, definição de seu público alvo, projeção de vendas e outros fatores essenciais para o andamento do negócio. Sendo assim, se você seguir o planejamento inicial de como montar um minimercado, não haverá surpresas e ainda há uma possibilidade de crescimento.

Gestão do Negócio

De nada adianta trabalhar todos os outros pontos, se não houver boa administração do fluxo de caixa. E com tantas coisas que se deve prestar atenção aprendendo a como montar um minimercado, podemos esquecer de algumas.

Para tanto, existe uma ferramenta completa que é chamada de eGestor. Um software fácil de se usar, intuitivo e que traz os seguintes recursos: Controle Financeiro; Fluxo de Caixa; Controle de Vendas de Produtos e Serviços; Controle de Estoque, Nota Fiscal Eletrônica e Emissão de Relatórios.

O eGestor foi pensado e desenvolvido para ajudar ao proprietário a cuidar do controle de estoque, de vendas e de produtos e serviços, facilitando até a emissão de nota fiscal.

Enfim, tudo que você precisa saber sobre como montar um minimercado. Agora, só falta você abrir as portas!

Banner-conversao-eGestor-blog
Início 9 Empreendedorismo 9 Como montar um minimercado: Dicas e orientações
Escrito em: 19/09/18
<a href="https://blog.egestor.com.br/author/pedro-henrique-escobar/" target="_self">Pedro Henrique Escobar</a>

Pedro Henrique Escobar

Pedro Henrique Escobar é formado em Administração e gerente de marketing no eGestor. O eGestor é uma ferramenta online para gestão de micro e pequenas empresas. Teste gratuitamente em: eGestor.

Comentários:

Compartilhe seu comentário, dúvida ou sugestão!

4 Comentários

  1. Palmira Gomes Gomiero

    Muito bom, explica bem com clareza e exmplos

    Responder
  2. CESAR AUGUSTO FERREIRA

    Uma informação que faltou:
    Qual a média de investimento inicial para esse empreendimento (minimercado)?

    Responder
  3. Pedro Paulo Alves

    Qual o valor mínimo e máximo de investimento. Loja com 200ms2 e depósito de 100ms2

    Responder
  4. Flávia

    Obrigada pelo artigo muito esclarecedor Deus abençoe!

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar…

Gestão empresarial: guia definitivo para o sucesso do seu negócio

Toda empresa precisa ter um objetivo, uma missão maior que guie todas as suas atividades. Independente de qual for esse objetivo, ele tem tudo a ver com a gestão empresarial. Isso porque é através de uma gestão empresarial competente e...

ERP: O que é e vantagens [GUIA COMPLETO]

Teste Grátis A administração de uma empresa acontece diariamente, com processos e controle que devem ser feitos a todo momento. Esses processos são o que mantém a empresa funcionando, e esse controle é o que mantém as contas em dia e os...

Nota fiscal eletrônica: tudo o que você deve saber [ATUALIZADO]

A Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) é um documento cuja função é atestar a venda de um produto ou a prestação de um serviço. Ela foi desenvolvida com o objetivo de substituir alguns sistemas de impressão de documentos fiscais em papel. Assim...

Guia do MEI: Tudo sobre o MEI – Blog do eGestor

O MEI (Microempreendedor Individual) é um tipo de empresa voltado para formalização de profissionais autônomos. O custo para abrir um MEI é zero. Os impostos pagos pelo MEI são o ICMS, pela venda de mercadorias, o ISS, por prestação de...

Faturamento: O que é, como calcular e aumentar o seu

Porque o faturamento é tão importante para a empresa? Porque ele é o valor, em dinheiro, que a empresa recebeu em um período. Assim, ele demonstra se o resultado foi satisfatório ou não. Com o acompanhamento se tem uma melhor ideia da...

Controle financeiro empresarial: Como fazer passo a passo

Passo a passo para fazer o controle financeiro da sua empresa Faça o controle do fluxo de caixa Separe custos e receitas Planejamento de recebimentos e pagamentos Registre todas as operações financeiras Tenha um orçamento bem estruturado...

Controle de Estoque: Como fazer um controle profissional

Porque o controle de estoque é tão importante para a empresa? O estoque é o principal ativo de uma empresa, sendo a forma mais importante de fazer dinheiro. Por isso, ter total atenção a gestão do estoque é de extrema importância. Se a...

Fluxo de Caixa: Guia de como fazer o da sua empresa

O que é o fluxo de caixa?O fluxo de caixa é o controle de todos os valores que entram e saem do financeiro da empresa. Qual o objetivo do fluxo de caixa?O objetivo do fluxo de caixa é garantir a saúde financeira do negócio, assegurando...

Nota Fiscal de Serviço Eletrônica (NFS-e): o que é e quem emite

A NFS-e, ou Nota Fiscal de Serviço Eletrônica, é um dos tipos de notas fiscais que existe juntamente com a nota fiscal, a nota fiscal do consumidor e o conhecimento de transporte. Elas são úteis para empresas que tem como uma das funções...

NFC-e (Nota fiscal de consumidor eletrônica) [Atualizado]

Emitir NFC-e Todo produto ou serviço vendido, deve ter sua comprovação fiscal e um dos meios de atestar essa transação é a nota fiscal. Afinal, ela dá segurança tanto à empresa que vende o produto, quanto ao consumidor que o compra....