gestão de pessoas

Se você já está no mercado de trabalho há pelo menos 15 anos, com certeza já deve ter ouvido a premissa de que funcionários são como engrenagens em uma empresa: se insatisfeitos, basta substitui-los por outros na organização. Mas, hoje em dia, a realidade é outra, e esse preceito foi por água abaixo: e é aqui que entra o conceito de gestão de pessoas. Quer saber como fazer uma boa gestão de pessoas? Então siga com a gente!

Gestão de pessoas: o que é e qual sua importância

A gestão de pessoas é conhecida como o ‘coração’ de uma organização. Se ela está bem, toda a empresa está.

Vamos considerar um exemplo. Nos dias de hoje, um funcionário desmotivado já não é mais mandado embora – mas sim, chamado para conversar sobre seus receios, medos e expectativas em relação à empresa. Isso se dá uma vez que os funcionários passam a ser vistos como peças fundamentais para o sucesso da organização.

Se este funcionário fosse simplesmente mandado embora, a empresa não saberia em quais aspectos deve melhorar para manter o resto da equipe contente, inspirada e motivada.

É neste sentido que a gestão de pessoas e de RH (recursos humanos) se torna cada vez mais forte dentro de instituições de médio e grande porte. Seu objetivo? Potencializar o desempenho dos colaboradores da empresa, o que resulta em um enorme diferencial quando em relação à concorrência.

Basicamente, um bom conceito para gestão de pessoas seria o seguinte: “associação de métodos, técnicas, habilidades, políticas e práticas que visam potencializar o capital humano e administrar comportamentos internos dentro de empresas de todos os portes e segmentos do mercado”.

Porém, manter os colaboradores motivados e satisfeitos não é a única forma de fazer gestão de pessoas. Na realidade, a estratégia demanda planejamento completo – envolvendo toda a organização em busca de capacitação, desenvolvimento e humanização de todos aqueles que fazem parte da mesma.

Além disso, muitos são os indivíduos que confundem a gestão de pessoas com o RH da empresa. O recursos humanos é, basicamente, o departamento responsável pela valorização dos profissionais e de seus direitos.

Porém, a gestão de pessoas é desempenhada não necessariamente por este setor, mas principalmente, pelos chefes, gestores e diretores da empresa – ou seja, pelos profissionais que verdadeiramente requerem capacidade de liderança.

Como fazer uma boa gestão de pessoas?

Parece complexo, não é mesmo? Mas não é. Pensando nisso, separamos este artigo em 5 tópicos, que na realidade, consistem em 5 pilares fundamentais que justificam a importância da gestão de pessoas.

Preparado (a) para conferir? Então vamos lá.

1. Motivação

O primeiro pilar da gestão de pessoas é a motivação – sendo este como um “combustível” para os demais pilares que veremos ao longo deste artigo.

A razão é simples: toda empresa precisa do esforço individual de cada um de seus funcionários para crescer. E para que haja comprometimento, os colaboradores precisam se sentir motivados.

Um funcionário totalmente ‘sem vontade’ de exercer suas funções tem sua produtividade parcialmente ou completamente prejudicada, o que faz com que ele tenha vontade de deixar a empresa na primeira oportunidade que lhe surgir.

E esse obviamente, não é o perfil de funcionários buscados pelas empresas nos dias atuais –muito pelo contrário. Há uma incessante busca pela ‘auto motivação’ em processos seletivos.

Para compreender melhor este tópico, imagine uma organização vista de fora. Quais são os pontos que motivam o funcionário? Entre os principais aspectos, destacamos os incentivos econômicos (bônus ou salários chamativos), a missão da empresa (empresas sociais, sustentáveis ou que visam o bem se destacam neste sentido), possibilidade de crescimento (também conhecido como plano de carreira) e desafios proporcionados.

Basicamente, cada pessoa irá se apegar a um ou mais destes aspectos na hora de se sentir motivada a trabalhar (e principalmente, a continuar) na empresa. E isso deve partir não só do indivíduo, mas também da empresa, que deve ter a consciência do que ela tem de chamativo – focando neste quesito no momento das contratações.

Para garantir a motivação dos seus funcionários baseando-se na gestão de pessoas nossas dicas são:

  • Faça metas da empresa, de cada departamento/área e metas individuais – afinal, quando a pessoa sabe que os objetivos da empresa são os mesmos que o dela, isso o motiva a continuar.
  • Realize processos seletivos transparentes, com base naquilo que você realmente busca para a sua empresa. Dessa forma, encontrar funcionários alinhados com sua missão e valores se tornará muito mais fácil – o que será uma via de mão dupla.
  • Ofereça feedbacks individualizados e periódicos – afinal, as pessoas não são iguais umas às outras e merecem tratamento diferenciado. O período de avaliação é você quem decide: semanalmente, todos os meses ou de três em três meses são os mais recomendados. O feedback lhe ajuda a motivar funcionários já não motivados por alguma razão, a corrigir erros e, é claro, a oferecer gestão de modo muito mais humanizado. Basicamente, este passo consiste em sentar com cada um de seus funcionários e ter uma conversa sincera. Nada difícil, não é mesmo?
  • Aposte na meritocracia – reconhecendo os funcionários que tiveram os resultados desejados, independentemente de seus cargos. Esse reconhecimento pode ser realizado por meio de prêmios, promoções, aumento salarial, treinamentos diferenciados, bônus e assim por diante.

2. Processo de comunicação

E para que a motivação seja real, evitar falhas de comunicação entre a empresa e o funcionário é um aspecto importantíssimo.

A boa comunicação deve ocorrer em todos os sentidos – entre colaboradores e gestores, entre funcionários, entre os diferentes departamentos e por aí vai. Essa integração é o que evita mal-entendidos, facilita o diálogo e permite que as informações estejam sempre disponibilizadas para todos.

Para um bom processo de comunicação na empresa nossas dicas são:

  • Adoção de softwares/programas de comunicação interna – principalmente para facilitar o bate papo entre funcionários e departamentos);
  • Adoção de um método em comum para comunicar coisas rápidas (evitando que coisas simples sejam esquecidas ou deixadas ‘mofando’ em caixas de entrada de e-mails);

  • Agilidade em respostas – que tal adotar a regra de que chats ou e-mails entre funcionários/gestores não podem ficar mais do que uma hora sem serem respondidos? Dessa forma o processo de comunicação é facilitado;
  • Evite passar funções para quem não será designado a ela – tem uma atividade para ser realizada pelo funcionário A? Então passe diretamente para ele. Se você comunicar o superior dele, que falará para o funcionário B para depois chegar até o verdadeiro responsável, as chances de que hajam falhas na comunicação são enormes.

eGestor - Software online de gestão empresarial para pequenas empresas

3. Trabalho em equipe

Os objetivos da empresa jamais devem ser individualizados – mas devem favorecer o trabalho em equipe. Sendo assim, é só quando os funcionários notam o quanto suas tarefas são importantes para o “bem do todo” que a empresa passa a funcionar como um organismo saudável.

Se cada setor, departamento ou equipe tiver objetivos individualizados, isso criará competição interna dentro da empresa – e os objetivos do todo serão totalmente esquecidos.

Sendo assim, a integração e o trabalho em equipe são quesitos fundamentais para a melhora da gestão de pessoas. E para melhorar o trabalho em equipe nossas dicas são:

  • Uso de programas/softwares para gestão de tarefas. Esse tipo de gerenciador faz com que funcionários realizando atividades diferentes se sintam parte do todo. Isso porque, em um software como esse, cada um têm suas funções – mas sabem que, caso não a desempenhem, o resultado de todos será prejudicado. Um bom e gratuito software neste sentido é o Trello.
  • Criação de grupos de trabalho. Tais grupos não devem ser criados com base em afinidade, mas sim, para projetos específicos (com duração específica). O principal objetivo é não deixar uma tarefa na mão de uma só pessoa – mas sim, de várias. Juntas, elas terão ideias, farão testes, mensurarão resultados e implementarão melhorias: tudo em conjunto.
  •  Faça “meetings” para acompanhar o andamento do trabalho. Quando todos estão no “mesmo barco”, o trabalho em equipe fica muito mais saudável. Sendo assim, no início ou fim de cada semana, sente-se com todos e faça uma reunião rápida (de no máximo 30 minutos). Isso faz com que equipes diferentes conheçam o trabalho de outras (e o andamento do job) assim como cria um ambiente de sinergia e motivador.
  •  Saiba também quando se divertir. Afinal, não tem nada pior do que um ambiente em que só se fala de trabalho 24 horas por dia, não é mesmo? Para isso, o mais recomendado é que o gestor crie momentos de interação que não necessariamente sejam no local de trabalho – como um happy hour ou churrasco na casa de alguém, por exemplo. Se quiser propor algo mais diferente, você pode pensar em viagens, trilhas, sessões de cinema apenas para o pessoal e assim por diante.

4. Competência e conhecimento

Ao longo deste artigo, falamos sobre um sistema que com certeza só funcionará com plenitude caso os funcionários tenham competência e é claro, conhecimento para o desempenho de suas funções.

Sendo assim, é fundamental a criação de um espaço em que todos possam crescer gradativamente – o que só pode ser feito por meio de uma equipe completa de bons profissionais.

Para construir uma equipe forte e duradoura, realmente, não é simples. Esse é um processo que se inicia já na entrevista – momento em que o indivíduo e a empresa encontrarão os seus pontos em comum e é alimentado ao longo do seu período de experiência.

Neste aspecto, vale relembrar a importância do feedback – já que esse retorno é o que fará com que cada ação do membro da equipe seja comentada – e da identificação das qualidades e pontos fortes de cada um, o que por sua vez, motivará o funcionário a ser cada vez melhor.

Para melhorar a gestão de pessoas no sentido de competências e conhecimentos nossas dicas são:

  • Faça avaliações de desempenho com base nos conhecimentos de cada um. Para tal, é importante estipular pesos para as competências mais e menos importantes. Além disso, esta avaliação deve ser realizada de modo periódico.
  • Não se esqueça de dar a devida importância aos processos seletivos. Quando a sua equipe vai crescendo e alguns vão pulando fora, é função dos gestores contratar novos funcionários que sejam tão bons (ou ainda melhores) do que aqueles que partiram.
  • Se após a realização de um processo seletivo completo você ainda não encontrou alguém que seja tão bom como você gostaria, não contrate – continue buscando até achar a pessoa que realmente seja tão competente como o esperado.

5. Desenvolvimento e treinamento

Finalmente, chegamos ao último pilar da gestão de pessoas.

Nele gostaríamos de destacar a importância do desenvolvimento e crescimento constante da empresa – já que uma empresa parada é basicamente uma empresa morta.

E qual é a melhor forma de garantir que uma empresa está em constante crescimento? Por meio do treinamento de seus funcionários.

Basicamente, neste ponto, o ideal é chegar a um “ponto de equilíbrio” em que tanto o colaborador como a empresa em questão estejam felizes e satisfeitos com o que resultar da “troca” entre eles. Neste sentido, todos ganharão e crescerão juntos, em um ciclo que só pode resultar em coisas boas.

Por fim, as dicas de como promover o desenvolvimento e treinamento na gestão de pessoas são as seguintes:

  • Perceba quais são os treinamentos que seus funcionários mais querem ter. Basicamente, esses treinamentos podem ser divididos em dois grandes grupos: treinamentos comportamentais (para adquirir conhecimentos específicos, como técnicas de vendas, métodos de negociação e outros) ou treinamentos técnicos (para conhecimentos realmente técnicos, sobre como mexer em tal sistema, software, máquina ou equipamento, por exemplo).
  • Faça com que os processos de desenvolvimento e treinamentos sejam contínuos – e não realizados apenas uma vez em nunca. Após descobrir quais são os conhecimentos que mais interessam para a sua equipe de funcionários, organize treinamentos com base na demanda e necessidade sempre que puder. Quer uma dica ainda mais interessante? Crie uma planilha com todos os treinamentos – o que inclui os já realizados, os em andamento e os que futuramente serão feitos. Ao disponibilizar essa planilha para todos, a motivação dos funcionários tende a ser ainda maior.

Após ser apresentado (a) aos 5 pilares da gestão de pessoas, já se sente mais preparado (a) para aplicá-los em sua empresa? Baixe nosso e-book de gestão de equipes e veja mais dicas para aplicar no dia-a-dia de sua empresa!

Guia de Gestão de Equipes

Escrito por eGestor
O eGestor é um software online para gestão de micro e pequenas empresas. Teste gratuitamente em: https://www.egestor.com.br