Para tudo que fazemos há um planejamento. Seja uma viagem, uma festa ou até mesmo um texto. Esse planejamento pode ser feito mentalmente, de forma rápida, através de um bloco de notas ou um documento, algo grande e estruturado. E assim como tudo que fizemos, abrir uma empresa requer um planejamento preciso.

Assim, antes mesmo de abrir uma empresa, é necessário fazer um plano de negócios e estudar a viabilidade do empreendimento. Além disso, o plano de negócios de uma empresa é de suma importância para que se possa ter noção de onde sua empresa está indo e por qual caminho seguir.

Portanto, entenda melhor o que é, como fazer, e qual a importância de um plano de negócios!

O que é um plano de negócios?

Um plano de negócios é um projeto de como sua empresa funcionará. Desde investimentos do financeiro, até o marketing. Ele é um documento que contém os objetivos do negócio e seus propósitos. Assim, ele irá ajudar na tomada de decisões e investimentos relacionados ao futuro da empresa. 

Ele indicará o que a empresa é e qual seu futuro, quais áreas gerarão melhor resultado de investimento e quais devem ser priorizadas. Questionará quando, como, porquê e com quem fazer o negócio. 

Como fazer um plano de negócios?

Um plano de negócios irá guiar sua empresa de diversas formas, assim é preciso estar atento a todas as áreas que ele deve conter:

Resumo executivo

O resumo executivo é um resumo de todo o plano de negócios. Ele traz todo o conteúdo do plano, mas de forma mais centrada e sucinta. Assim, ele deve ser feito somente após a conclusão total do plano de negócios, para que assim se tenha um guia. E ainda, é independente do plano de negócios, ou seja, podendo ser publicado ou enviado, sem a necessidade de todo o planejamento ser conhecido, já que o resumo indicará tudo isso em um espaço menor.

Visão e missão

A visão de uma empresa é a trajetória da empresa, a forma como ela deseja se ver, o futuro do negócio. É a imagem que a empresa deseja alcançar através da sua missão e trabalho.

Já a missão é o ponto onde a empresa deve chegar, e o que irá orientar os objetivos da empresa. Ou seja, qual impacto o negócio deseja ter na sociedade. Ela serve para guiar funcionários em questões financeiras e sociais da organização.

Descrição geral da empresa

Assim como o resumo, a descrição traz o que é a empresa de forma objetiva. Se ela já existe há algum tempo, deve ser inserido o crescimento e faturamento dos anos anteriores. Se for montado o plano de negócios com o intuito de abrir uma empresa, ele deve conter tudo que se espera dela.

Análise estratégica

A análise estratégica da empresa serve para identificar forças, ameaças, oportunidades e fraquezas da empresa, como na análise SWOT. Ou o que precisa ser feito, para onde a empresa vai, quando fazer, como e os custos, como na análise 5W2H. Esses tipos de análise servem tanto para saber onde a empresa se encontra, tanto para onde ela deve ir ou está indo.

Plano de Marketing e Vendas

O plano de marketing serve para abordar os meios de divulgação que serão utilizados pela empresa, e como será feito. Dessa forma, ele deve apresentar os serviços e produtos do seu negócio, além do preço e das informações sobre ele.

Plano Financeiro

Essa área do seu plano de negócios deve contar, em números, todos os dados relacionados ao financeiro. Se sua empresa já estiver em funcionamento, os dados de crescimento e faturamento devem estar inclusos. Se ela ainda não foi aberta, deve conter o que se espera nesse âmbito. 

O plano financeiro deve trazer tudo que se espera desse âmbito na empresa. Desde quanto se espera faturar, de forma sensata e calculada, quanto precisará de investimento e quais as fontes de financiamento possíveis. Ou seja, todos os dados relacionados ao financeiro, de forma calculada.

Ramo de atividade

É a área que ela se insere do mercado. Ou seja, qual ramo a empresa faz parte.

Mercado consumidor

Antes até mesmo de montar um planejamento para abrir uma empresa é preciso realizar uma análise de mercado. Isso significa avaliar se seus produtos e serviços tem demanda da comunidade onde você pretende se instalar. De nada adianta ter o capital, a ideia, o lugar e o planejamento se seu público-alvo não precisa da sua mercadoria ou serviço. 

Aqui, é necessário que você estabeleça ainda qual é o tamanho do mercado consumidor. Assim como quanto seu produto vai conseguir tomar da sua concorrência.

Para que seja possível determinar este fator, é recomendado fazer uma pesquisa de mercado. Essa pesquisa poderá ser feito de forma primária ou secundária.

A primária é aquela que se vai buscar a informação diretamente com potenciais consumidores que prestarão informações.

Já a secundária é quando você busca tais informações em outros locais que já possuem tais dados. Ou seja, no IBGE, no SEBRAE, em associações de classes…

A decisão pela escolha de uma das duas formas é feita com base no tipo de negócio que se deseja montar. E, com base nisto, você avaliará a viabilidade do seu plano e vai adaptá-lo à necessidade do mercado consumidor.

Mercado fornecedor

Independente do ramo e da função, se serviços ou produtos, será necessário algum fornecedor. Portanto, é preciso garantir que você terá provedores dos seus produtos ao seu alcance.

Concorrência

Sempre faça a análise da concorrência, não importa se você irá vender frutas ou carros. Isso lhe ajudará a tomar inúmeras decisões, como a sua localização, seus produtos, inovações, entre tantos outros. Assim, procure as empresas que tem um serviço ou produto parecido com o seu e que estão na mesma área.

Produtos e serviços

Defina claramente quais serão os seus produtos ou serviços oferecidos. Se você vende roupas esportivas, por exemplo, precisa ter camisetas. Já se você presta algum serviço de conserto, é preciso ter as ferramentas. Dessa forma, tendo um controle de produtos e materiais, você nunca deixará seu cliente na mão.

Localização

A localização é algo relativamente importante, principalmente se você vai comprar o ponto onde irá se localizar. E mesmo em caso de aluguel, é preciso escolher um lugar que faça sentido, já que mudanças sempre trazem muito trabalho e você acaba por perder vendas. Escolha um lugar que tenha alguma relação com seu público-alvo definido anteriormente. E também que a área faça sentido. 

Processo operacional

Essa é uma das partes mais importantes e que mais deve ser considerada. O processo operacional é o roteiro de como as coisas devem ser feitas na sua empresa. Assim, é a descrição de tudo que precisa ser feito para se completar uma atividade.  

Dicas de escrita

Outro fator que deve ser levado em consideração quando estiver elaborando o seu plano de negócios é a sua escrita.

Isso significa que não é recomendável o uso de gírias, jargões técnicos e siglas. Isso, porque a linguagem deve ser coerente e com a proposta e parecer o mais profissional possível, ainda que o projeto seja mais moderno e jovem.

Além disso, os especialistas recomendam a utilização de linguagem simples, direta, com frases curtas e por meio de listas.

Tudo isto, com a finalidade de que a comunicação seja facilitada a todos que tiverem acesso a ela. Assim, focando principalmente sócios e futuros investidores.

Qual a importância desse planejamento?

Um plano de negócios de uma empresa possui diversos benefícios. Dentre eles:

  • Melhor visualização do seu negócio: Por ter um documento com os dados da sua empresa, é possível visualizar de forma ampla todas as informações necessárias para um futuro investimento ou uma diminuição de gastos.
  • Ser um indicador: com o plano de negócios se tem uma orientação maior de para onde se deve ir. Ele dará as informações necessárias para saber se você está no caminho certo ou se é preciso fazer alguma mudança no planejamento. 
  • Atrair investimentos externos: com uma base de informações sobre onde você pretende ter sua empresa no futuro e onde ela está agora, será mais fácil saber se investimentos serão necessários. O que irá facilitar a conversação com um futuro investidor, porque, dessa forma, ele conseguirá entender as necessidades presentes e futuras da sua empresa. 
  • Trazem mais segurança: Empresários que possuem um plano de negócios demonstram que se importam com a gestão e o futuro da sua empresa. Enquanto empresários que não possuem o plano de negócios passam a imagem de desinteressados.

Quais são os principais desafios de se criar um plano de negócios

Muitas pessoas consideram difícil desenvolver um plano de negócios em virtude dos desafios existentes. Realmente, as dificuldades são inúmeras e são sentidas por todos que estão realizando o seu planejamento e o seu desenvolvimento.

Entre elas podemos citar:

Necessidade de assumir suposições

Como no início, o administrador não tem todas as informações ao seu dispor, é necessário inicialmente assumir suposições. Este passo é quando o administrativo levanta hipóteses de quanto será as vendas, os custos, o comportamento do consumidor etc.

Mas o que são hipóteses?

Hipóteses, nada mais são do que uma ideia não comprovada que necessita ser verdadeira para que o negócio funcione.

Na prática, elas demonstram a necessidade de adaptação do modelo de negócio adotado. Mas também ajudam os empreendedores a imaginar possíveis situações de riscos e de sucesso.

Por isso, vale tentar prever certas ocasiões e acontecimentos que podem ocorrer durante o funcionamento de seu negócio. E, assim, incluir essas possibilidades em seu plano.

Os especialistas indicam que em mercados em que existem muitas hipóteses a serem testadas, é muito aconselhável planejar o mínimo possível antes de entrar em ação.

Por fim, é válido reforçar que estes testes de implementação das hipóteses no plano de negócios devem utilizar o mínimo de capital possível. Sempre tendo em vista que são apenas sugestões de possíveis acontecimentos. E, só mesmo na prática, é que você fará a “prova de fogo” daquilo que planejou.

Em resumo, as hipóteses podem servir como um plano de segurança e pode facilitar na tomada de decisão do empreendedor, caso algo não saia como o planejado.

Preencher o plano linearmente

Por ser um objeto complexo e com muitas variáveis, existe uma dificuldade em montar a sequência de ideias de uma forma linear. Ou seja, numa sequência que existe começo, meio e fim.

Todavia, muitas vezes é impossível completar todas as informações ali necessárias, pois o administrador ainda não as possui, vez que depende de outras que estão em pontos mais avançados do plano.

Os especialistas recomendam que o plano deve ser preenchido de acordo com as informações obtidas ao longo das ideias. Assim, a última coisa que deve ser escrita é o sumário executivo. Isso, pois, só no final, que se saberá tudo que foi definido no plano.

Ademais, toda vez que uma variável mudar, é necessário que todo o plano seja revisto, a fim de que continue fazendo sentido.

Necessidade de conhecer outras disciplinas

Aquele que está executando planejando o seu plano de negócios, ao criá-lo, deve analisar outras áreas do conhecimento, a fim de apontar se as suas propostas são viáveis e podem dar lucro.

Para saber, se o plano de negócios terá ou não sucesso, é necessário que se façam cálculos financeiros.

Afinal, essa estratégia permite “desenhar” um plano mais consistente e real, dentro de um orçamento disponível.

Exemplos de conhecimento

Como exemplos de conhecimentos que devem ser necessários para a criação do plano financeiro do plano de negócio são:

  • Direito do trabalho, a fim de apurar qual será o encargo trabalhista que será pago ao empregado.
  • Direito empresarial e tributário, para se decidir as formas de legalização da empresa e qual será o regime de tributação da empresa. Ela vai entrar pelo regime simples de tributação, por exemplo? Além disso, a forma que a empresa vai se formar influência numa eventual responsabilidade dos sócios futuramente.
  • Contabilidade, para que se faça os cálculos precisos de depreciação, custos fixos e variáveis, capital de giro, investimento inicial, entre outros.
  • Administração de estoques, a fim de que seja possível planejar o estoque, qual deve ser o estoque inicial, qual é o estoque mínimo para que o negócio continue andando.
  • Matemática financeira, para todos os cálculos necessários para a manutenção do negócio.
  • Análise financeira, a fim de que possa calcular desde logo qual é o tempo de retorno do investimento, a lucratividade do negócio, etc.
  • Logística, como seu produto será entregue, como vai ser feita esta gestão de logística.
  • Tenha em mente que, o plano de negócio consiste em sete áreas principais, e cada uma delas demanda o conhecimento de várias matérias correlatas. Saiba que é necessário o estudo constante e a capacitação para fazer do seu plano de negócios um sucesso.

É possível, e recomendado ainda, em todos esses casos, que você se consulte especialistas para que esse sane todas as suas dúvidas, ou esclareça informações conflituosas.

Considerações finais

Podemos concluir que ter um plano de negócios irá fazer apenas bem para sua empresa. Apesar de ser uma tarefa árdua e trabalhosa, pode gerar recompensas. E a não realização de tal pode trazer prejuízos, já que não se tem um delineamento de o que se pretende com a empresa.

Escrito por eGestor
O eGestor é um software online para gestão de micro e pequenas empresas. Teste gratuitamente em: https://www.egestor.com.br