Iniciar uma expansão de negócios é um assunto que deixa qualquer empreendedor animado. Afinal, caso obtenha-se sucesso, será possível atender mais clientes, gerar mais lucro e suprir um horizonte maior de necessidades no mercado. Contudo, não é tão simples!

Toda expansão deve ocorrer em momentos específicos, caso contrário, os resultados podem ser ruins. É importante que, internamente, haja predominância de pontos fortes e, externamente, oportunidades a serem aproveitadas.

Ainda é necessário que a empresa conte com uma liderança bem instaurada, que entenda a cultura organizacional e se comprometa com os valores da empresa.

Pensando em tudo isso, criamos este guia. Aqui você conhecerá os 7 principais pilares para uma expansão de negócios saudável. Continue a leitura e fique por dentro do assunto. Boa leitura!

1. Entenda o tipo de expansão que deseja realizar

Toda expansão deve ter um foco exato, até para facilitar a definição da estratégia, das metas e métricas de desempenho em curto/médio prazo. É possível expandir em quatro principais sentidos, confira:

  • em unidades de negócio;

  • em mix de produtos (bens ou serviços);

  • em tipos de clientes atendidos;

  • em canais de venda.

Imagine que o intuito é expandir em unidades de negócio. Será preciso formular uma estratégia e definir como esse objetivo será alcançado. Pode-se optar por franquiar a marca, abrir novas unidades ou adquirir unidades concorrentes, assim será possível atingir o objetivo desejado.

Por outro lado, se o intuito é expandir em canais de venda, deve-se focar na criação de um negócio omnichannel — que integre o mundo físico e o virtual.

O atual texto dá ênfase a expansão em termos de produtos (bens ou serviços comercializados) e clientes atendidos. Para estes, é preciso criar uma estratégia igualmente peculiar e capaz de converter ótimos resultados.

2. Tenha uma visão sistêmica do mercado

Toda empresa está inserida em um contexto maior e predatório, especialmente hoje. A verdade é que não há espaço para muitos erros, a concorrência logo percebe e tira proveito da sua fraqueza. Em que tipo de mercado você atua?

Para uma análise consistente, comumente, o mercado é dividido em dois blocos: o macroambiente, formado por aspectos abrangentes (economia, leis, tendências, tecnologias etc.); e microambiente ou ambiente-tarefa, formado por organismos mais próximos (clientes, concorrentes, fornecedores e órgãos reguladores).

Cada um desses fatores pode ser visto como uma oportunidade, favorecendo o crescimento; ou uma fraqueza, tornando ainda mais difícil sua expansão.

De modo geral, é indicado expandir em momentos de “bonança”, onde existem mais oportunidades que ameaças no mercado. Contudo, há, sim, empresas que expandem em meio a períodos de “turbulência”, fazendo-se primordial inovar.

3. Seja o melhor no que realmente importa

Para expandir em termos de produto ou perfil de clientes atendido, primeiro, é necessário cuidar da saúde do negócio. É crucial ser realmente bom no que importa para os clientes, garantindo que voltem mais vezes.

A verdade é que muitos gestores tentam ser os melhores em tudo — preço, atendimento, qualidade, velocidade de entrega. Não é preciso muito conhecimento para entender que essa é uma estratégia “furada”, que nunca dará certo.

Verifique o que é mais importante para os seus atuais e futuros clientes, depois busque ser o melhor, especificamente nisso. Toda expansão deve estar baseada na qualidade, garantindo um crescimento saudável e lucrativo.

4. Gerencie eficazmente o lucro da empresa

O lucro pode não ser um dos assuntos mais discutidos na gestão empresarial, porém, certamente é o mais importante para a sobrevivência da firma em curto prazo. Sem lucro, é impossível pagar os funcionários, credores, entregar valor aos clientes ou iniciar qualquer estratégia de expansão.

A gestão do lucro deve focar em três pontos: a construção de uma cultura que se importe com o assunto, a redução de custos e a correta precificação.

Como a construção da cultura é um processo de médio/longo prazo e o aumento dos preços pode afastar clientes, opondo-se à estratégia de expansão, o foco imediato deve estar na redução de custos não estratégicos.

O custo não estratégico é aquele que não tem potencial de melhorar a empresa ou criar negócios, sendo necessário apenas para sua existência. É possível destacar: aluguel do imóvel, água, energia e produtos de limpeza. Reduza-os!

5. Controle de produção e estoque da empresa

O excesso de produtos no estoque, sem saída, evidencia a falta de planejamento, compromete a lucratividade da empresa e o próprio plano de expansão. Por essa razão, a produção e o estoque também são considerados pilares.

Há dois principais modelos de produção: o empurrar e o puxar. No primeiro, o produto é produzido para depois ser vendido no mercado, sem que se tenha pedidos prévios. No modelo puxar, no entanto, coleta-se primeiro os pedidos para depois iniciar a produção, assim é possível ter saídas certas.

Na medida do possível, o ideal é mudar o modelo empurrar de produção para o modelo puxar, garantido que se tenha uma produção “enxuta”.

Também é importante gerenciar o estoque e garantir que se tenha o suficiente para as vendas, nem a mais nem a menos. Se o estoque por elevado demais, pode-se não ter a saída desejada, implicando em perdas futuras.

6. Gerencie o marketing e busque novas parcerias

Se o intuito é expandir, nada mais normal do que falar em marketing. Diferente do que muitos acreditam, essa área busca analisar o mercado e criar planos de ação para aproveitar suas oportunidades em benefício da organização.

Em primeiro lugar, é preciso analisar a nova gama de clientes que busca atender e como novos produtos podem ser desenvolvidos para suprir suas necessidades e desejos. Essa pesquisa pode ser feita por grupos focais, por exemplo.

Também é preciso analisar a concorrência e identificar seu atual mix de produtos, identificando em que diverge do seu. Essa técnica é conhecida como benchmark. O intuito não é copiar, porém, aprender com a concorrência.

Para que essas análises resultem na criação de produtos competitivos, ainda é preciso buscar novos parceiros. Procure por fornecedores com preços atraentes, condições favoráveis de pagamento e que deem o suporte pós-venda adequado.

7. Preze por processos inovadores

Por fim, é importante destacar a busca por processos inovadores. Especialmente em mercados muito competitivos, encontrar novas soluções para os problemas é essencial para se destacar da concorrência e alcançar uma fatia maior do mercado.

Todavia, para inovar é importante contar com toda a equipe de trabalho. Estimule os atuais profissionais a pensar “fora da caixa” e encontrar soluções para os problemas que existem há muito tempo.

Como se pode ver, cada um desses pilares é crucial para o plano de expansão. Ainda é importante considerar a implementação de um sistema de gestão empresarial (ERP), assim, será fácil otimizar o desempenho dos diversos recursos da empresa — finanças, estoque, vendas, processos e assim por diante.

Agora você entende os pilares para favorecer a sua expansão de negócios, certo? Aproveite para compartilhar nosso conteúdo nas redes sociais e permitir que seus amigos também fiquem por dentro do assunto. Vamos lá!

Escrito por eGestor
O eGestor é um software online para gestão de micro e pequenas empresas. Teste gratuitamente em: https://www.egestor.com.br