Conhecendo o empreendedorismo: o empreendedor como vetor de mudança

Extremamente relacionado à ideia de inovação, o empreendedorismo identifica problemas e busca solucioná-los. É um conceito que surgiu com força nos últimos anos e se espalha cada vez mais. Muito se fala sobre espírito empreendedor e sobre as maravilhas de ter seu próprio negócio. Mas, afinal, o que é mesmo empreendedorismo? Como ele atua? Quem pode empreender?

O que é empreendedorismo?

O empreendedorismo nada mais é do que a identificação de problemas e mudanças e a criação de novas oportunidades a partir disso. Pode ser definido como inovar, criar algo diferente, desenvolver, modificar, empreender algo. Além disso, é investir competências e recursos para criar um negócio, movimento ou projeto que tenha a capacidade de provocar mudanças e resultar em um impacto positivo. Muito usado no mundo empresarial, esse processo também costuma envolver riscos.

O conceito da palavra surgiu em 1945, através do economista Joseph Schumpeter, que o criou tendo como base a sua teoria da Destruição Criativa. Esta teoria afirma, entre outras coisas, que o empreendedor é uma pessoa com habilidades técnicas para produzir, versátil e capitalista. Pois ele é capaz de captar recursos financeiros, organizar operações internas e efetuar vendas.

Posteriormente, foram introduzidas outras ideias ao empreendedorismo: Como a necessidade de arriscar nos negócios, a ideia de empreendedores que trabalham dentro de organizações e o conceito de que empreendedores destroem a ordem econômica vigente no mercado introduzindo novos produtos e serviços. Além de explorar novos recursos, materiais ou tecnologias e mudando as formas de gestão. Ou seja, transformam constantemente o mercado e a economia.

Hoje, temos como uma das definições desse conceito mais aceitas a de Robert D. Hisrich, no livro “Empreendedorismo“: processo de criação de algo que seja diferente e que tenha valor, em que se dedica esforço e tempo, se assume riscos financeiros, sociais e psicológicos, e se recebe as recompensas econômicas e pessoais consequentes. O empreendedorismo é considerado, inclusive, como principal fator para promover o desenvolvimento econômico e social de uma nação.

Empreender significa estar pronto para agir nas mais variadas situações e ambientes em que as atividades serão desenvolvidas. tarefa que se mostra cada vez mais complexa. Ao contrário do que muita gente pensa, empreender não é tão simples: Exige esforço, disposição para fazer o que for necessário e trabalhar durante jornadas extensas, principalmente no início do negócio. Quem se aventura a empreender precisa gostar de desafios e se encaixar no perfil de empreendedor. Perfil este que apresenta algumas características bastante específicas para obter sucesso, mas que, felizmente, podem ser trabalhadas por qualquer um que esteja verdadeiramente disposto a mergulhar no empreendedorismo.

O perfil

Empreendedores gostam de buscar soluções para problemas e colocá-las em prática: Ajudando as pessoas e melhorando suas vidas ou agilizando e melhorando os processos de uma empresa, no caso corporativo. Sabem lidar com mudanças e imprevistos e são bons em analisar situações, problemas, riscos, pessoas e soluções.

Cada um possui um perfil distinto. Sendo assim, pode incorporar características e práticas diferentes ao empreender. Porém, algumas características básicas se fazem necessárias em qualquer pessoa que deseja empreender:

  •  Resiliência e perseverança: O bom empreendedor não pode desistir facilmente. Problemas, riscos e desafios fazem parte desse meio. Eles superam os obstáculos e vão até o fim para alcançar seus objetivos.
  •  Desejo de protagonismo: Costumam desejar serem reconhecidos pelo que fazem. Gostam de ter controle sobre a própria vida.
  •  Saber lidar com riscos: Precisa ter coragem para aceitar e entender os riscos que envolvem o seu negócio. Lidar com riscos está no cerne do empreendedorismo. Quem não está disposto a enfrentar isso não vai se sair bem empreendendo.
  • Autoconfiança: além de acreditar na ideia/negócio, a pessoa precisa também acreditar em si mesma, nas suas habilidades e nas suas opiniões. É ele que banca a ideia, ele precisa acreditar que é capaz. Pois é é ele quem irá tomar as decisões. Algumas de suas decisões podem ser equivocadas ou gerar consequências negativas, a autoconfiança impede que se passe a duvidar de si mesmo e acabe prejudicando a empresa.
  •  Otimismo: apesar de estar ciente dos riscos e preparado para eles, ele sempre vê e espera o melhor. Sempre acredita que o negócio tem chance para dar certo, e depende apenas de si mesmo. Um empreendedor otimista encontra muito mais facilidade em ser resiliente e perseverante.

Além disso, cada um tem suas motivações para empreender, o que ajuda a moldar o tipo de empreendedor que você será.

Eles também costumam ter um perfil psicológico bem definido. A maioria deles tem capacidade de ser inspirado por uma ideia ou uma tendência e até mesmo por críticas e julgamentos. Também apresentam grande capacidade de introversão, que acaba desenvolvendo uma capacidade intuitiva, que permite que sejam mais analíticos, identificando pontos e oportunidades que outras pessoas não conseguem perceber. Tais características também podem ser desenvolvidas, embora exijam bastante dedicação e treinamento.

Ebook Crescimento Empresarial

Tipos de empreendedores

Existem muitos tipos, mas é possível dividir as pessoas que buscam empreender nos seguintes tipos:

  • Empreendedor nato (mitológico): São os que mais se destacam. São reverenciados por seu desempenho. Esse tipo geralmente teve um início precoce, com condições reduzidas, o que não os impediu de criar grandes empresas. Exatamente por terem começado jovens, costumam desenvolver a capacidade de negociar e vender. Os natos costumam estar à frente do seu tempo, são otimistas, visionários e tem 100% de comprometimento na busca para realizar os seus sonhos.
  •  Empreendedor que aprende: costumam ser pessoas que encontraram uma oportunidade de negócio quando menos esperavam e resolveram mudar de área para se dedicar ao seu próprio negócio. Quando percebem uma oportunidade, resolvem aprender a gerir seu próprio negócio. Assim, uma das principais características nesse grupo é o inesperado. Também são mais cautelosos do que outros empreendedores. Estudam as possibilidades e viabilidades da ideia ou do negócio em vez de assumir o risco de imediato. Ou seja, podem demorar um pouco mais de tempo na tomada de decisão. É importante destacar que esse tipo de pessoa precisa que uma oportunidade surja.
  • Empreendedor normal (ou planejado): embora não seja a maioria entre os tipos de empreendedores, esse grupo costuma ser o mais completo e com mais chances de sucesso. São referência dentre os grupos de empreendedores. Este perfil busca se capacitar, dando atenção para fatores como planejamento dos próximos passos organizacionais e minimização de riscos. Vê claramente o futuro do empreendimento e tem metas estabelecidas. É exatamente o fato de focar no planejamento o que aumenta as chances do seu negócio ser bem-sucedido.
  • Empreendedor herdeiro: com a missão de dar continuidade ao legado da família, administrando os negócios e recursos familiares para fazer com que prosperem por mais tempo, ele é motivado a empreender desde muito jovem. O perfil desse grupo pode variar: Há tanto os inovadores (mais visionários, querem adotar medidas diferentes das usadas até então) quanto os conservadores (gestão mais próxima da anterior, querem manter as coisas como estão). Hoje é mais comum contratar executivos para fazer a gestão de empresas familiares, entretanto eles são acompanhados pelo herdeiro, que dá sugestões e impressões.
  •  Empreendedor por necessidade: essas pessoas começam um negócio autônomo por não encontrarem uma opção melhor de trabalho. Com isso abrem um negócio para gerar renda para sustentar a si mesmo e sua família. É a forma menos bem-sucedida de empreender. Pois esses empreendedores tendem a entrar no mercado completamente despreparados. Entretanto, existem casos de sucesso de empreendedores por necessidade.
  • Empreendedor corporativo: Formado por executivos que se destacam e tentam crescer na empresa, buscando resultados positivos para a organização. Vistos como ótimos negociadores e vendedores por saberem como trabalhar e vender suas ideias mesmo em situações limitadoras impostas pela empresa, sabem como gerenciar uma equipe e são grandes conhecedores das ferramentas administrativas. Também são mestres em desenvolver seu networking para gerar oportunidades e trazer pessoas que façam a diferença para sua equipe. Outra característica desse tipo é que costumam ser bastante autoconfiantes. Pessoas com este perfil gostam de trabalhar com grandes metas (que resultam em grandes recompensas) e são ótimos em se autopromoverem. Enfim, possuem um perfil considerado como ideal para atuar em grandes empresas.
  • Empreendedor serial: Cria um empreendimento para vendê-lo e usa o capital obtido com essa ideia para criar outro negócio. A partir de então, vende essa nova ideia também, repetindo os passos anteriores, sempre produzindo algo. Nesse caso, a venda se torna o fim de um negócio e início de um novo.
  • Empreendedor social: em vez de buscar dinheiro, seu objetivo é a inovação social através de emprego e foco na inovação, visando os benefícios sociais que disso podem resultar. Esses empreendedores têm características tradicionais, como visão, criatividade e determinação. Suas experiências em outras organizações e empresas são usadas para ajudar o próximo. Estão em setores sem fins lucrativos, podendo trabalhar em órgãos governamentais, públicos, comunitários ou voluntários e negócios éticos.

Empreendedorismo no Brasil

Segundo uma pesquisa realizada pela Endeavor, 76% dos brasileiros sonham em empreender, ficando atrás apenas da Turquia (82%) e a frente de países mais desenvolvidos, como Estados Unidos (51%) e União Europeia (37%). Entretanto, querer empreender não é o suficiente para se tornar um empreendedor, é preciso buscar qualificação, estudar estratégias e, acima de tudo, estar disposto a colocar a mão na massa e se arriscar.

Além disso, o brasileiro que quer ingressar no empreendedorismo enfrenta alguns problemas. Os impostos, por exemplo, além de serem altos, exigem muito conhecimento de quem se aventura a empreender – são mais de 11 mil normas tributárias no país anualmente, o que toma um tempo precioso de qualquer empresário.

Embora o Simples Nacional (sistema facilitado de pagamento de impostos para micro e pequenas empresa) seja um marco na história do empreendedorismo brasileiro, ainda tem muito que pode ser melhorado. Além de deixar de fora do seu sistema outras obrigações assessórias individuais, não são todos os setores que podem ser incluídos nele. Um exemplo disso são os prestadores de serviço.

Aqui também é pequeno o número de empresas que realmente crescem todos os anos. Das mais de 4,4 milhões de empresas, apenas pouco mais de 21 mil, ou 1,3%, têm um crescimento de 20% ao ano, são as chamadas scale-ups. Essa pequena porcentagem também é responsável por quase metade da geração de novos empregos. Essas empresas causam um impacto enorme na economia. O crescimento se restringe a tão poucas empresas por muitas razões. Dentre elas estão a complexidade tributária que aumenta com o crescimento e a falta de preparo do brasileiro para empreender.

Embora exista disponibilidade de capital para investir, os empreendedores têm dificuldades para acessá-lo, devido aos altos juros e a necessidade de apresentar muitas garantias. Quanto ao tempo para abrir um negócio, isso pode variar: Enquanto algumas cidades levam até 100 dias para o registro completo, outras têm o prazo de apenas uma semana. Essas últimas geralmente criaram projetos para incentivar as startups locais.

Mas é claro que também temos pontos positivos, como a grande oferta de cursos de capacitação através de órgãos e instituições públicas ou privadas. O Sebrae, as universidades, aceleradoras e incubadoras, entre outros, são algumas opções. E esse é o calcanhar de Aquiles dos empreendedores brasileiros: a falta de conhecimento e capacitação.

Dicas para quem quer iniciar seu empreendimento

Se você tem vontade de entrar no empreendedorismo, veja algumas dicas simples:

  • Seja capacitado: faça cursos, leia livros sobre empreendedorismo, vá à palestras, esteja preparado para o que você enfrentará.
  • Encontre um sócio que te complemente: um empreendedor tem muitas responsabilidades e ninguém consegue fazer tudo sozinho. Ache um sócio que seja bom naquilo que você não é.
  • Coloque a mão na massa: não perca tempo demais planejando, é preciso agir, erros fazem parte do processo. Você irá aprender com eles.
  •  Fale da sua ideia: isso te ajuda a ver os pontos fracos e melhorar seu negócio com base no feedback das pessoas.
  • Atinja pessoas: consiga o máximo de clientes que puder, de todas as formas que puder, seja em eventos, redes sociais, palestras.
  • Tenha uma boa cultura organizacional: esse pode ser o seu grande diferencial em relação ao concorrente.
  • Acredite e persista: não deixe que os desafios diários te derrubem. Lembre-se de que para ter sucesso é preciso persistir.

Gostou do texto? Deixe um comentário!

Escrito por eGestor
O eGestor é um software online para gestão de micro e pequenas empresas. Teste gratuitamente em: https://www.egestor.com.br