Veja como aplicar a logística reversa em seu negócio

Hoje, sabemos que a ação humana impacta diretamente no meio ambiente e no clima do planeta. E ainda que pessoas poderosas tentem ignorar isso, suas consequências são visíveis. Por isso, ações de sustentabilidade, como a logística reversa, estão cada vez mais presentes nas empresas, trazendo resultados importantes para a organização e a sociedade.

Não é incomum vermos no comércio informativos como: “Posto de coleta” ou “Descarte seu aparelho usado aqui”. Alguns encaram isso apenas com curiosidade, enquanto outros fazem questão de colaborar e divulgar a ação.

O que poucos sabem, no entanto, é que esses informativos são etapas que fazem parte de uma estratégia logística. E apesar de o meio ambiente ser muito beneficiado, existem muitos outros benefícios dessa prática para as empresas.

Portanto, no artigo de hoje apresentaremos o que significa a logística reversa e a lei que impulsionou as empresas a praticarem esse processo, além dos benefícios e forma de aplicá-la. Continue endo e confira!

O conceito de logística reversa

A logística é a ciência que acompanha o fluxo dos produtos, que vai desde a matéria-prima até a entrega ao consumidor final. Para isso, o acompanhamento passa por etapas como armazenagem, transporte, distribuição, entre outros.

Mas você já se perguntou o que ocorre quando há, por exemplo, uma devolução? Toda a cadeia precisa ser acionada novamente. É aí que entra a logística reversa, seguindo o caminho contrário da “logística tradicional”: a mercadoria sai das mãos do cliente e volta para o seu produtor de origem.

Na prática, a logística reversa é a atividade que controla e administra o fluxo referente ao retorno dos materiais produzidos pela empresa para o seu local de origem. E entre as suas abrangências estão o controle das políticas de troca e devolução e a criação de postos para que os materiais sejam devolvidos.

Nesse sentido, a logística reversa é segmentada, basicamente, de duas formas:

Pós-venda

A logística reversa de pós-venda é aquela a que todo consumidor já fez parte algum dia. Trata-se do modelo que se concentra nos produtos devolvidos por questões comerciais, ou que não foram utilizados por completo, mas precisam voltar para empresa. Por exemplo:

  • erros no processamento dos pedidos;
  • defeitos de fabricação;
  • avarias com trocas pré combinadas;
  • devoluções por parte do consumidor por diferentes motivos.

Pós-consumo

O pós-consumo acontece quando os produtos são utilizados em sua plenitude e, depois, são descartados (não precisa ser apenas a embalagem). Esses itens podem ser devolvidos por meio de postos de coletas ou empresas de recolhimento de descartáveis.

Entre os fins que os produtos descartados podem receber, destacamos:

  • reciclagem;
  • reúso;
  • desmanche.

Guia de Gestão Estratégia

A lei de Política Nacional de Resíduos Sólidos

Entre outras coisas, a Lei nº 12.305/10 — também conhecida como a Política Nacional de Resíduos Sólidos — tem o intuito de diminuir o impacto que resíduos e produtos mal descartados causam no meio ambiente e na sociedade.

Ela obriga que os fabricantes, distribuidores, comerciantes etc. sejam responsáveis pelos resíduos dos seus produtos; incentivando a reciclagem, o reúso e o fim adequado para os materiais sem utilidade.

A completa adequação à norma passa muito pela aplicação da logística reversa na empresa, pois é por meio dessa estratégia que as instituições garantem que os seus materiais não sejam descartados em qualquer lugar, prejudicando o meio ambiente.

Além disso, como toda regra, a lei de Política Nacional de Resíduos Sólidos também tem as suas sanções e punições para quem não cumpre as determinações.

A importância da logística reversa para as empresas

O primeiro ponto a se destacar é a existência da lei que obriga as empresas a recolher os resíduos dos seus produtos.

Por si só, essa já é uma grande razão para aplicar a logística reversa, visto que o descumprimento pode gerar medidas disciplinares. No entanto, a logística reversa não é importante apenas pela necessidade de cumprir uma legislação — ela deve fazer parte de um planejamento de política sustentável.

Até porque não podemos ignorar ainda que os efeitos da poluição se voltam contra todos. Logo, cuidar do meio ambiente é garantir um futuro para as novas gerações.

Além disso, toda empresa deseja se perpetuar no mercado e gerar valor para os clientes, certo? Pois garantir um ambiente saudável e seguro é uma forma de alcançar esse resultado.

Bom, além de todos os fatores mencionados, a logística reversa também é importante porque traz diversos benefícios para a empresa. Quer saber quais são eles? Veja abaixo os principais:

Benefícios da logística reversa

Vantagem competitiva

Empresas que, reconhecidamente, trabalham com políticas de sustentabilidade e preservação do meio ambiente acabam se tornando mais procuradas pelos clientes, pois praticam as normas que os cidadãos entendem como corretas.

Com a internet e a globalização, os consumidores estão cada vez mais informados, tomando conhecimento sobre tudo o que acontece ao redor do mundo. E quando um país sofre catástrofes naturais que são impulsionadas pela interferência do homem, há um sentimento de empatia por todos aqueles que se esforçam para cuidar do meio ambiente.

Nesse sentido, uma ação que, aparentemente, é voltada para o quesito social pode trazer consequências empresariais positivas — ao ponto de a instituição se destacar entre as concorrentes e chamar a atenção dos consumidores por questões além da qualidade dos produtos e serviços.

E ser referência de sustentabilidade também é um forte cartão de visita das empresas.

Redução custos

De fato, essa parece ser situação contraditória — visto que, para implementar a logística reversa na rotina de trabalho, a empresa terá que investir recursos financeiros em materiais, equipamentos, mão de obra, parceiros etc.

Porém, depois de um ciclo formado e bem estruturado, o sistema contribuirá de forma decisiva para a criação de novos produtos com menores custos para a empresa. Ou seja, o investimento inicial será compensado rapidamente, e fará com que a empresa impulsione a sua produtividade sem aumentar os gastos.

Para que isso fique mais claro, por meio da logística reversa uma empresa consegue reduzir custos das seguintes formas:

  • comprar matéria-prima reciclada, em vez de virgem (que é sempre mais cara);
  • reaproveitar o seu próprio material;
  • utilizar embalagens recicláveis;
  • vender os resíduos que não lhe são úteis para mercados secundários.

Um bom exemplo é o caso de uma grande multinacional do ramo de snacks (salgadinhos). Eles coletam as caixas nos clientes, entregam em um fornecedor para fazer a triagem e higienização e chegam a reaproveitar a caixa até 5 vezes.

Assim, mesmo com o custo de transporte e da higienização, o preço é metade que o de uma caixa nova.

Outro exemplo prático está na área de logística. Dependendo do tipo de produto, um material imprescindível é o filme stretch, mas muitas empresas não apenas o descartam, como tem custo para realizar o processo em virtude do volume.

No entanto, esse é um produto que pode facilmente ser vendido, por se tratar de um material maleável e transparente. E isso não apenas custeia o descarte, como ainda gera lucro.

Mas o exemplo mais conhecido talvez seja o do alumínio. Segundo a Associação Brasileira de Alumínio, a reciclagem desse material gasta apenas 5% de energia comparado ao metal virgem, para produzir cerca de uma tonelada de latas. Sem dúvida, uma clara redução de custos e impactos ao meio ambiente.

Bom, esses foram apenas três exemplos simples, que mostram que não só é possível reduzir os custos, como também lucrar com a logística reversa.

Adequação as normas e cumprimento da fiscalização

Diante de um cenário em que várias empresas sofrem sanções, pagam multas milionárias e têm as suas operações interrompidas, implementar um eficaz projeto de logística reversa é um grande benefício para muitas instituições.

Adotando a logística reversa, e fazendo até mais do que a legislação pede, a empresa melhora a cada dia e não necessita de obras emergenciais, nem “maquiagens” quando houver visitas de fiscalização.

Afinal, não é bom para a imagem de qualquer empresa ser conhecida como uma organização que desrespeita as leis e que não se importa com o meio ambiente.

Melhor reputação perante os consumidores e sociedade

As novas formas de comunicação ganham cada vez mais força. Assim, tudo que é repercutido nas redes sociais toma proporções inimagináveis, para o mal ou para bem.

Imagine se alguém postar um conteúdo relatando que a sua empresa não respeita as leis e agride o meio ambiente, e esse conteúdo se tornar viral! Que impacto isso pode gerar no seu resultado?

Pois é, os protestos e as reclamações podem gerar boicotes e, por consequência, um grande prejuízo financeiro — com certeza, uma situação que nenhum empresário deseja enfrentar.

Agora, imagine a mesma repercussão, mas destacando uma boa prática da companhia. Pessoas comentando e recomendando para que os amigos e outros usuários utilizem os seus produtos e serviços. Esse é o cenário que você busca!

Justamente por isso implantar a logística reversa melhorará a reputação da sua empresa, gerando maior credibilidade no mercado e facilitando a conquista, a fidelização e o engajamento de clientes.

Ainda outra vantagem trazida por uma reputação melhor é a possibilidade de oferecer preços mais elevados, aumentando a margem de lucro da companhia e melhorando a relação com investidores e fornecedores.

Enfim, agora que você já sabe o conceito, o que diz a lei, a importância e os benefícios da logística reversa, vejamos 4 dicas práticas para aplicá-la em sua empresa!

4 dicas para aplicar a logística reversa

1. Estabeleça uma política de devoluções e trocas

Para que o ciclo da logística reversa funcione corretamente, é necessário estabelecer uma política de devoluções e trocas. Isso ajudará fornecedores, lojistas e clientes a entender, de forma clara, como proceder para trocar ou devolver produtos, embalagens ou resíduos.

Sem as diretrizes definidas, toda vez que algum consumidor necessitar retornar algum material podem surgir dúvidas — como sobre quem contatar ou quais dados deve apresentar —, e ainda corre-se o risco de o procedimento ser realizado de forma aleatória.

Agora, ao estabelecer uma política que deve respeitar os direitos do consumidor, a empresa estabelece um passo a passo a ser seguido, tornando esse fluxo mais prático para todos os envolvidos.

2. Desenvolva um protocolo para devoluções e trocas

Pode até parecer, mas não estamos falando da mesma coisa do primeiro tópico. Enquanto a política de troca ajuda a informar os parceiros e clientes sobre como proceder para realizar a devolução dos itens, o protocolo é direcionado para os colaboradores.

O gestor deve se certificar que os funcionários da empresa estão preparados e conhecem os procedimentos para efetuar os passos da logística reversa. O ideal é que o protocolo seja repassado para as equipes dos setores que lidam diretamente com a produção ou atendimento ao público, como, por exemplo:

  • setor comercial;
  • setor de atendimento ao cliente;
  • setor de produção;
  • setor logístico;
  • gestores.

3. Pratique um atendimento eficiente

Ainda que a empresa desenvolva e comunique a sua política de devolução e troca (muitos produtos, atualmente, vêm com um informativo nas embalagens), sempre existirão os clientes que precisarão de ajuda para realizar os procedimentos corretamente.

Sendo assim, disponibilize variados canais de atendimento ao consumidor e treine os funcionários do setor para que possam instruir, da melhor maneira, esses clientes.

Com um atendimento eficiente, o colaborador conseguirá explicar os passos em menos tempo e, assim, garantir a total satisfação do consumidor. Além disso, quanto melhor for a experiência do consumidor ao resolver um problema, maior será a possibilidade de ele voltar a fazer negócios com a sua empresa.

4. Tenha um bom controle de estoque e financeiro

Quando o cliente devolve um produto por conta de um defeito ou alguma outra razão que o impossibilite de utilizá-lo corretamente — o que implica em uma logística reversa pós-venda —, a empresa precisa fazer o reembolso de acordo com as suas políticas. E isso exige controle.

É preciso também investir em estoque, garantindo que a troca aconteça em um tempo aceitável. E não podemos esquecer que, com isso, existem também novos custos com frete de retorno e entrega.

Dessa forma, se torna necessário um bom trabalho de equipes — e a ajuda de uma consultoria é essencial para que isso não venha a prejudicar a saúde financeira da empresa.

Enfim, como vimos, a implantação da logística reversa vai muito além do cumprimento da lei. Os benefícios desse sistema vão desde uma melhor reputação da empresa com os clientes até uma redução de custos e maiores margens de lucro.

Então, aplique as nossas dicas e eleve o resultado da sua empresa! E, se gostou do nosso artigo, aproveite para curtir a nossa página no Facebook e fique por dentro de outros assuntos importantes para melhorar a gestão da sua empresa!

EGestor - Software online de gestão empresarial para pequenas empresas

Escrito por eGestor
O eGestor é um software online para gestão de micro e pequenas empresas. Teste gratuitamente em: https://www.egestor.com.br