Na busca pelo aumento dos lucros da empresa, vários são os caminhos que podem ser seguidos. Um deles, que merece muita da sua atenção, passa pela melhoria do controle de estoque.

Além de ajudar no gerenciamento da empresa, o controle de estoque oferece uma maior eficiência e organização de alguns dos seus processos internos. Ele também diminui desperdícios, tanto de tempo e energia na hora de fazer gestão quanto de recursos financeiros da sua empresa.

Ter um estoque controlado é saber que há a quantidade correta de produtos para que a empresa possa fluir corretamente e atender sua demanda do mercado, sem ter prejuízos com perdas. O que parece óbvio nem sempre é para muitos gestores que ainda não sabem como realizar o controle de estoque corretamente.

O mercado está cada vez mais concorrido, e muitos gestores encontraram no controle de estoque uma maneira de desenvolver um diferencial competitivo forte diante da concorrência.

Muito além de ter um espaço físico organizado, esse controle permite otimizar as tarefas de toda a estrutura da empresa e trazer inúmeras vantagens e benefícios, como veremos a seguir:

Para que serve o controle de estoque?

Controlar o estoque significa fazer a gestão de uma parte importante dos seus ativos, além de representar uma estratégia essencial das operações de negócios. Essas operações podem ser complexas, principalmente se houver mais de um ponto de distribuição. No entanto, deixar de fazê-las ou fazê-las de forma inadequada gerará pequenos erros que podem custar caro, como veremos mais adiante no decorrer deste artigo.

Por outro lado, existem mudanças que poderiam ser implementadas para reduzir ou eliminar totalmente os desperdícios de recursos, poupando dinheiro. O planejamento aliado a estratégias que envolvam técnicas e ferramentas certas otimizarão os processos, fazendo do controle de estoque um fator determinante para o sucesso do negócio.

Sem um controle de estoque eficiente, sua empresa pode ter dificuldade em identificar possíveis produtos que estão em falta ou em baixa quantidade. Isso pode levar a perda de possíveis vendas, já que neste caso, seus potenciais clientes poderão procurar outra empresa que possua o produto desejado.

Um bom controle de estoque também pode se tornar uma vantagem competitiva para a sua empresa, a medida em que possuindo determinado produto que esteja em falta nas empresas concorrentes, você garante um aumento de suas vendas e a fidelização de seus clientes.

É péssimo para o vendedor conseguir fechar uma venda difícil e descobrir que não há o produto no estoque. E pior que ele pode demorar a chegar. A frustração não é só do vendedor, mas também do cliente que acaba procurando a concorrência.

Esse é um exemplo muito comum, mas que deveria não existir para uma empresa organizada e com controle total de seu estoque. Salvo produtos com rara saída e difíceis de serem comprados ou situações específicas de aumento repentino da demanda, o estoque deve estar preparado para atender sua clientela.

A gestão de estoque controla o fluxo de materiais na empresa, que indicam o desempenho de setores como financeiro, vendas e administrativo. Ela permite prever as necessidades de compras futuras e organiza o planejamento da empresa.

O controle de mercadorias a serem vendidas indica quais os produtos com maior procura e até em que momento do mês há mais vendas sobre ele. Também fala quais os que têm pouca saída e os que são sazonais, ou seja, vendem somente em determinada época. Através dessas observações, é possível compreender as estratégias de vendas desses produtos, como o consumidor tem reagido a elas e o que pode ser feito no futuro.

Para o setor financeiro, o controle de estoque pode diminuir seus custos, aumentar o fluxo de entradas e saídas e evitar desperdícios através de um planejamento seguro mensal.

Planilha de controle de estoque gratuita para download

Vantagens do Controle de Estoque

Muitos departamentos financeiros de empresas que não possuem um controle de estoque equilibrado e fazem compras em demasia de produtos, sem saber sua real necessidade ou mesmo deixam de comprar os que saem mais, acabam demorando para recuperar o capital investido e também perdem possíveis oportunidades de negócio.

O planejamento permite que a empresa não gaste dinheiro com produtos que ficarão guardados no estoque por muito tempo. Gastar com algo que ficará muito tempo parado, é deixar de investir em outras situações mais rentáveis e que tragam outros tipos de retorno a empresa.

Há ainda a possibilidade de armazenar muitos produtos que fiquem obsoletos ou que possam perder a data de vencimento e sejam desperdiçados. Essas questões são péssimas para a saúde financeira da empresa e são evitadas com um controle definido de estoque.

Com o estoque devidamente administrado, a produtividade aumenta, os custos diminuem, as perdas são diminuídas ou erradicadas e o capital de giro pode ser investido em outros recursos dentro da própria empresa ou em aplicações financeiras.

Guia de Otimização de Processos

O que a falta de controle de estoque pode representar para a sua empresa?

O estoque de uma empresa é, sem dúvida, uma das fontes de recursos mais importantes para o negócio como um todo, afinal, a comercialização do acervo da empresa é sua principal base de lucros. Por isso, ter uma contabilidade precisa dos produtos que estão estocados, sua organização e a melhor distribuição desses itens são iniciativas que podem gerar um alto impacto financeiro sobre seu empreendimento, aumentando a rentabilidade e otimizando processos.

De maneira adversa, a falta de controle de estoque certamente vai influenciar de modo negativo, fazendo com que os gastos de manutenção aumentem, requerendo reposições desnecessárias e, ainda, trazendo efeitos prejudiciais na relação com os clientes, com a consequente perda de vendas. Melhor não arriscar, não concorda?

Você por acaso saberia dizer de que modo a falta de controle de inventário pode ser nociva para sua empresa? Pois é o que vai aprender a identificar agora mesmo. Então confira:

Você vai oferecer um serviço pobre aos clientes

A reputação da empresa e o bom relacionamento com os clientes são os principais fatores que se deve constantemente desenvolver, mas que podem sofrer estragos pesados com o desleixo no que se refere à melhor gestão do estoque. Tal desatenção pode fazer com que você não tenha os produtos desejados pelos clientes no momento adequado, acabando por perder valiosas oportunidades de venda.

Além disso, você também pode investir em artigos que ficam parados por bastante tempo no depósito, imobilizando seu capital desnecessariamente. É possível, ainda, que ocorra um acúmulo de produtos trocados pelos clientes, já que não existe um registro adequado das informações dos itens disponíveis em estoque. E tudo isso resulta em insatisfação por parte dos consumidores e na prestação de um serviço de má qualidade global para quem você serve.

3+A empresa vai perder em eficácia e gastar mais

Falhas e desatenções nos registros de inventário podem custar muito caro para a sua empresa. Se não há um controle adequado do acervo, muitos itens podem ser danificados ou até destruídos ao longo do tempo. Sem mencionar que você não saberá com certeza os motivos que levaram à redução do seu estoque, pois não terá controle sobre desvios de produtos, roubos e furtos.

Nesse caos generalizado, você poderá acabar gastando também com uma parte adicional de seu acervo que você, na verdade, não precisa para o período atual, desperdiçando dinheiro que poderia ser aplicado em outros setores e na compra de outras mercadorias ou insumos.

Você não conseguirá se planejar adequadamente

Os gestores que acompanham de perto seus respectivos estoques são capazes de satisfazer os clientes o tempo todo, dando conta de cada uma das encomendas requeridas. No entanto, se as empresas não têm tempo para se planejar com a devida antecedência, não poderão criar estoques que sigam as demandas e sazonalidades de cada período.

Nesse cenário, um controle efetivo possibilita que o gestor entenda em quais produtos deve aplicar os recursos da empresa, sem que algumas mercadorias fiquem encalhadas no estoque ou faltem na hora em que os clientes venham procurar especificamente por elas.

Quais os principais erros cometidos no controle de estoque e como evitá-los?

Como você percebe, o gerenciamento ineficiente de estoque pode arruinar o seu negócio. Por isso, o controle de acervo é um dos processos mais relevantes para a maioria das empresas que lidam com venda, logística e distribuição de mercadorias. Afinal, é isso que vai permitir ao empreendedor ter o produto certo que é buscado pelo cliente, na hora em que isso ocorre, sem ter o capital imobilizado em excesso ou perder capital de giro. Conheça agora os 7 maiores erros de quem precisa investir em um controle de estoque de alto nível e saiba como evitá-los:

Não realizar um planejamento de longo prazo

Quando o gestor não planeja seu estoque com boa visão de futuro, podem incidir, pelo menos, duas graves adversidades: a falta de produtos em momentos de grande procura ou o encalhe enorme de artigos em períodos de pouca saída.

No primeiro caso, a empresa frustra o cliente, que pode buscar na concorrência a solução para seus ímpetos de consumo. Depois, pode ficar muito mais caro recuperar esses compradores que trocaram sua empresa em sua preferência de compra.

O outro caso representa um erro de avaliação de cenário ou falta de preocupação com os gastos excessivos, de modo a deixar muito capital investido e parado no acervo. O fato é um grande problema porque restringe o capital de giro e pode acarretar riscos de estragar as mercadorias com prazo de validade ou perecíveis.

Deve-se ter um planejamento que considere as sazonalidades do mercado e os históricos de compras anteriores dos clientes, de sorte que o gestor seja capaz de entender melhor os ciclos de consumo de cada época do ano e tendências do período.

Não falar ou saber quem são seus clientes

Saber o que os clientes querem é um conjunto de informações altamente relevantes para não gastar demais na reposição do estoque, mas investir perfeitamente nas ordens de pedido para seus fornecedores. Usar recursos não planejados para repor o acervo de surpresa vai pôr mais pressão sobre seu sistema, matar sua margem de lucro e pode até ocasionar prejuízos.

Se você busca a satisfação geral do cliente, pesquise justamente com ele sobre o que poderá trazer mais contentamento. Faça pesquisas de mercado, planeje suas ações de acordo com o que os clientes-chave de seu negócio esperam. Crie processos internos que correspondem à cadência dos altos e baixos de consumo de seu público e execute programas de reabastecimento que seja colaborativo com seus fornecedores, em que eles assumem ao menos parte da gestão ou da responsabilidade para repor o acervo diretamente.

Não ter uma boa comunicação interna

Surpresas e iniciativas que nem todos os funcionários estavam sabendo, como promoções dos produtos encalhados e informações sobre a chegada de novas mercadorias, podem gerar um enorme volume de problemas entre os departamentos. Os gerentes e os colaboradores-chave de cada área precisam ser atualizados sempre sobre o que acontece na empresa, para que ocorra a adequada previsão e o melhor planejamento de estoque.

Os dados devem seguir para todos os departamentos pertinentes. Prepare reuniões quando houver mudanças nas demandas dos itens importantes no acervo e com o objetivo de chegar a um consenso sobre o planejamento para o mês.

Ter empregados não qualificados para gerenciar seu estoque

A falta de um programa adequado de treinamento de sua equipe impede que padrões mais bem definidos e condutas estratégicas sejam aproveitados dentro dos processos da empresa. É essencial reconhecer que a gestão de inventário requer aptidões de trabalho profissional, bem como a contratação de pessoal apropriado e treinamento em conformidade. Apenas assim vai ser possível atribuir responsabilidades pela gestão de inventário e metas de planejamento.

Guia de Gestão de Equipes

Falta de automação

Se você ainda faz o controle de estoque com planilhas manuais, talvez a empresa esteja perdendo dinheiro. E sua equipe, com certeza, muito tempo. Fazer todos os lançamentos manualmente leva muitas horas e não vai lhe dar a oportunidade de conseguir os resultados que um software projetado especificamente para o controle de estoque poderia lhe proporcionar.

Você está desperdiçando recursos, o que o impede de aplicar sua energia em outras áreas que poderiam ajudar seu negócio a crescer muito mais. Utilizar um software para o gerenciamento de inventário vai ajudar a automatizar tarefas, evitar as falhas humanas mais comuns e acelerar os processos de monitoramento. Além disso, pode diminuir bastante os custos trabalhistas desnecessários.

Ter um sistema de organização ineficiente implementado dentro dos armazéns

Quando há forte desorganização dentro dos armazéns, ainda que haja um excelente software em sua empresa, haverá perda de tempo na circulação de retirada, recolocação e acomodação dos itens no acervo. Se houver um planejamento para organizar as mercadorias, elas poderão ser facilmente retiradas para embarque aos destinos dos consumidores, poupando-lhe tempo e dinheiro quando os funcionários atravessam aqueles espaços à procura de um item.

Observe os produtos que mais vendem e coloque-os mais próximos das áreas de transporte, a fim de que eles possam ser mais rapidamente retirados das prateleiras e enviados. E não coloque as coisas aleatoriamente onde houver espaço disponível: aloque os produtos com base nos tipos, categorias, tamanhos, cores, entre outros fatores que possam ser relevantes na sua indústria.

Praticar controles do inventário com pouca frequência

Muitas empresas têm que cessar as operações por um dia para verificar o inventário. Isso pode resultar em perdas de vendas e muito menos lucros. Saiba que esse é um método ultrapassado, e é muito melhor agendar controles regulares de inventário, sem que a empresa precise fechar as portas para cumprir uma enorme checagem de uma vez só. Novamente ter um software de gestão de estoque será conveniente: um sistema confiável vai mantê-lo a par da situação de seu acervo em tempo real, atualizando as informações de que precisa.

Fazer a gestão de inventário ou controle de estoque pode ser trabalhoso, mas por meio de um processo simplificado, de preferência com uma ferramenta confiável, você será capaz de reduzir significativamente os erros e melhorar as operações que podem levar a mais vendas. 

Como fazer esse controle?

Tudo o que entra e sai da empresa deve ser controlado. Há um ciclo de procedimentos que precisa ser respeitado, para que não haja falhas em nenhum setor.

O setor de compras ou administrativo faz a requisição de determinada quantia de produtos ao fornecedor. E quando eles chegam, esses produtos precisam ser lançados no sistema como entrada e devidamente organizados fisicamente para que se mantenha o controle interno. Mas para que isso aconteça, é preciso um sistema de comunicação interna eficiente, onde as informações são padronizadas.

Por exemplo, quando o setor de vendas cria uma campanha para estimular o desenvolvimento de um determinado produto, ele precisa saber como está o seu estoque e se há a quantidade média para atender a demanda esperada. Não basta apenas avaliar os números e sim planejar com os outros setores se essa promoção é viável, já que os produtos em estoque normalmente representam a quantia média da demanda no mês. Caso haja um aumento temporário dessa demanda, o setor de compras precisa verificar a viabilidade dessa promoção.

Para o responsável pela organização do estoque, todos os produtos precisam receber identificação com um código da empresa ou mesmo pelo seu código de barra, para que haja controle específico de cada produto adquirido. Assim como precisam estar em categorias pelas suas características de matéria-prima ou tipo.

É preciso definir uma quantidade mínima, para que quando ele atingir essa capacidade o setor de compras possa fazer o pedido, sem que seja necessário que ele acabe. Da mesma forma que haja uma quantidade máxima definida, que impede que haja compra em excesso.

Fisicamente, utilize métodos como colocar os produtos disponibilizados em ordem alfabética ou numérica, devidamente identificados em sua embalagem e no sistema, para que seja fácil saber onde localizá-lo. É importante também verificar a data de validade do produto, mantendo os que tenham uma data mais próxima fique a frente dos outros. Isso evita que os produtos adquiridos mais recentes sejam vendidos e os mais antigos fiquem para trás, perdendo a sua hora certa de venda.

Faça um inventário anual do estoque, com uma recontagem de todos os produtos e sua conferência no sistema. Ele indica se houve perdas ou roubos de produtos, comparando os números e identificações do sistema com o que está realmente armazenado.

Confira a seguir dez dicas fundamentais para um controle de estoque eficiente!

1. Planeje compras fazendo projeções de demanda

A previsão de demanda é um ponto importante para as estratégias de otimização do controle de estoque. Prevendo a quantidade exata de produtos e serviços que precisará em cada período, você garantirá uma compra mais enxuta, fazendo a mercadoria girar mais rápido e liberando espaços importantes no estoque.

Melhor do que isso. Você garantirá que não falte os produtos e serviços certos no momento em que mais são procurados, aumentando o volume de vendas.

Para isso acontecer, analise o histórico de saídas de mercadorias cruzando as informações do volume com o período e descubra o período sazonal de cada um. Assim, você poderá projetar demandas futuras, planejar compras melhores, negociar descontos e custos de entrega e eliminar os riscos de receber produtos atrasados.

Guia de Controle de Estoque Sazonal

2. Considere os prazos de entrega no planejamento

Muitos gestores não consideram os prazos reais em que devem receber as compras após a encomenda, culpando os fornecedores por não lhes darem a devida atenção. Isso significa falta de planejamento de compras.

Não considerar o prazo de entrega faz com que as encomendas sejam feitas em cima da hora, tornando impossível de serem atendidas pelos fornecedores, que também possuem seus métodos e padrões de entrega. Você pode até mudar de fornecedor para um mais próximo ou que atenda mais rápido, mas o problema continuará, pois ele também terá o seu prazo para entregar as encomendas.

O prazo de entrega deve ser contado a partir do momento em que você realiza a encomenda (fecha o negócio de compra com o fornecedor) até realmente recebê-la em seu estoque. Então, pesquise junto aos fornecedores quais são os prazos reais, com margem para atrasos.

Em alguns casos, é possível negociar um prazo menor, mas dependerá do volume e frequência de compra.

3. Escolha os fornecedores que melhor te atendam

O fornecedor não deve ser escolhido apenas pelos preços de vendas, mas também pela qualidade dos produtos e serviços oferecidos, pelos prazos de entrega, pelas condições de pagamento, pelo relacionamento etc. São muitos fatores a serem considerados, e cada um tem a sua devida importância para o negócio.

Por isso, faça uma análise mais detalhada deles. Liste cada fornecedor na vertical com os atributos na horizontal. Dê um peso para cada atributo (nota, pontos etc.). Por exemplo: se considerar o prazo de entrega mais importante, dê uma pontuação superior a esse fator para o fornecedor que entregar mais rápido.

Um bom relacionamento e uma boa negociação de prazos de entrega com seus fornecedores pode ser um grande diferencial para a sua empresa. A pronta entrega pode fazer com que sua empresa possua determinado produto antes de seus concorrentes. 

Agora, pesquise essas informações com os fornecedores, pontuando cada fator de acordo com o peso que tem para o seu negócio. Some as pontuações e descubra quais são os melhores fornecedores para a sua empresa. Lembrando que essa pesquisa deve ser feita periodicamente.

4. Tenha ajuda de uma consultoria

Se você não tem uma equipe estruturada para fazer o controle de estoque, possivelmente faltará tempo para executar todas as tarefas e ainda pensar na gestão estratégica. Mas isso não precisa ser assim. Você pode contar com uma consultoria para ajudar você a colocar tudo nos eixos.

Alguém que entenda bem sobre controle de estoque, leis, regulamentações, tributações e incentivos fiscais pode ajudar a empresa a economizar muito dinheiro e contribuir para a implementação de uma gestão mais eficiente e com menos erros. De modo geral, é importante para trazer know how para o negócio.

5. Cadastre os seus produtos

Cadastrando todos os seus produtos no estoque, sua gestão neste processo fica muito mais organizada e facilitada. É importante fazer a atualização da contagem de estoque a cada nova entrada ou saída de produto. Fazendo isso, você  saberá exatamente quando há falta ou excesso de produtos, e terá a noção precisa do momento certo para realizar novas compras com seus fornecedores, ou então o momento para fazer liquidação de possíveis produtos em excesso.

Para fazer um controle de estoque eficiente é importante que você delimite o estoque máximo e mínimo de cada produto de acordo com a demanda de cada um. Separando os seus produtos por suas respectivas categorias fica muito mais fácil organizar e fazer um bom controle de estoque. Dessa maneira, você poderá saber a natureza, especificações, características e tipos de produtos que estão disponíveis no seu estoque.

6. Faça um inventário de estoque

A partir da contagem, cadastro e categorização de todos os seus produtos, é recomendável fazer um inventário de estoque. Ou seja, é preciso calcular o valor somado de todos os produtos disponíveis no estoque. Com o inventário, fazer um controle de estoque eficiente se torna uma tarefa mais fácil a medida em que possibilita ao empresário o planejamento e realização de ações estratégicas visando a otimização do giro de estoque, de forma a não deixar produtos parados por muito tempo.

7. Fique atento aos indicadores de resultados

É importante fazer um constante e rigoroso registro de suas vendas a cada nova saída de seus produtos. Isso permite identificar quais os seus produtos que possuem uma maior demanda no mercado e quais deles não obtém o retorno esperado. Esse controle de produtos mais e menos vendidos é o que chamamos de ABC de vendas por produtos.

Isso é essencial para que sua empresa foque na compra de produtos realmente necessários para o estoque e reduza gastos desnecessários. Outro importante indicador para fazer um controle de estoque eficiente é o que chamamos de cobertura de estoque. Ela serve para apontar se o seu estoque é suficiente ou não para atender as médias de compra de acordo com o registro de todas as saídas de seus produtos.

Para calcular a cobertura de estoque, é preciso fazer o cruzamento do número de produtos que você possui em seu estoque com a sua previsão média de vendas.

8. Integre os setores de sua empresa

O estoque não deve em hipótese alguma ser tratado como um setor isolado dentro da empresa. Isso porque um controle de estoque eficiente é essencial para o bom funcionamento de todos os setores da organização em si e vice-versa, já que todos os setores precisam trabalhar em torno de uma boa gestão de estoque.

Vamos a exemplos práticos dessa necessidade de integração entre os setores da empresa: vamos supor que o setor de vendas verificou um aumento significativo da demanda para determinado produto. Neste caso, essa informação precisa ser devidamente repassada ao setor de produção ou o setor responsável pela negociação com fornecedores, de forma a aumentar a quantidade daquele determinado produto no estoque.

Se os profissionais responsáveis por cuidar da saúde financeira do empreendimento demonstram preocupação com o atual orçamento empresarial, é preciso haver um diálogo de forma a reduzir o estoque e evitar gastos excessivos, evitando assim possíveis situações de endividamento da empresa.

9. Categorize os seus produtos

Como existem estoques de vários tamanhos, é preciso administrar esses itens da forma mais abrangente possível. 

Talvez você já tenha ouvido falar na Curva ABC, também conhecida como Ótimo de Pareto. O economista italiano Vilfredo Pareto ficou famoso pelo seu trabalho, que trata a respeito do conceito de eficiência. É com base em seus estudos que chegamos à Curva ABC.

Sendo uma representação gráfica de itens em análise, essa definição de grupos ou categorias avalia a importância de cada um deles dentro do contexto em que se encontram.

Assim, é possível identificar o que é mais importante ter na sua empresa. É com base nesses parâmetros que a gestão de estoque costuma trabalhar, minimizando a margem de erro da compra de produtos ou insumos, mas sem perder de vista aqueles que realmente fazem a empresa girar.

Para que você possa aplicar essa metodologia em seu negócio, é necessário identificar itens ou grupos de itens e a sua movimentação média. Lembre-se que estamos tratando de velocidade de reposição de estoques e margem de resultados.

Vamos, então, separar cada item em um grupo, entre A, B e C. Em alguns casos, existe ainda a categorização em um quarto grupo, o D, mas ele não é tão comum de ser encontrado em literaturas técnicas nacionais.

Grupo A

Esses itens são o que podemos chamar de carro-chefe dentro do negócio, representando o maior volume de reposições da empresa. Como já falamos, podem ser:

  • produtos que você revende;
  • compras que faz de suprimentos, como material de escritório e limpeza, por exemplo;
  • insumos para a sua produção.

O fato é que se sua empresa ficar sem esse tipo de material, tudo para — pois eles são os seus principais itens. Pela teoria de Pareto, eles representam em torno de 20% de todo o seu inventário, no que diz respeito à quantidade de itens que você compra.

Por outro lado, eles correspondem a 80% do seu gasto de verba e têm a maior rotatividade.

Grupo B

Itens intermediários. Não são nem os mais demandados, mas também não ficam muito tempo parados. Em comparação aos do grupo A, possuem uma quantidade um pouco maior: giram em torno de 30% de tudo que você costuma comprar.

Contudo, com relação ao investimento, eles ficam somente na casa dos 15%. Para facilitar a logística, os componentes dessa categoria ficam também armazenados no meio do caminho. Não são nem os mais facilmente acessados, mas também não podem ficar lá fundo.

Grupo C

Essa categoria de produtos é o que sobra quando retiramos os outros dois grupos anteriores. Representa 50% do número de itens, mas corresponde somente a 5% do custo do estoque.

Normalmente, como eles têm uma rotatividade menor, você precisa comprar muito de vez em quando, e só vai adquirir uma quantidade maior se o desconto que estiver negociando for realmente alto — já que o seu investimento, nesse caso, provavelmente vai demorar mais a retornar.

Se forem produtos para revenda, acabam sendo aqueles com maior lucratividade, afinal, é preciso compensar o espaço e o gasto de manutenção de estoque.

Como falamos, em alguns casos você pode encontrar uma categoria D. Basicamente, ela se refere ao excesso de estoque ou produtos e insumos obsoletos. O ideal é que esse volume seja sempre o mínimo possível, pois não tem muita utilidade para a empresa e ainda acaba demandando algumas despesas.

10. Conte com ferramentas de gestão

Com o avanço das tecnologias de internet, você não precisa mais fazer todo o trabalho manualmente. Um sistema de gestão baseado em nuvem pode automatizar diversas tarefas, liberando mais tempo para você se dedicar ao planejamento estratégico do negócio.

O controle de estoque ganhou muito com essa novidade e agora pode ser totalmente gerido, reduzindo os riscos de erros e até de retrabalhos. Os gestores podem analisar os relatórios emitidos e compreender como está o andamento dos processos como um todo e também por setor.

O próprio software pode indicar quando houver necessidade de aquisição de novos produtos, de acordo com a saída deles do estoque e o valor que precisa ser disponibilizado para a sua aquisição. Esse tipo de ferramenta traz vantagens para toda a empresa, que pode controlar melhor suas vendas, as compras, as finanças e a administração de tudo baseado em relatórios detalhados ou simplificados, diários ou mensais, de acordo com a necessidade.

Dessa forma, as quantidades de mercadorias em estoque, as ordens de compras, os dados históricos e outras informações podem ser atualizadas em tempo real. Além disso, um software de gestão baseado em nuvem possibilita que todos os seus dados sejam acessíveis, independentemente da hora e local que estiver.

Ou seja, não importa onde você está ou qual dispositivo móvel está usando. Se tiver uma conexão com internet, poderá acessar o sistema, verificar dados e realizar tarefas — tudo em tempo real. Imagine o tempo e dinheiro que poderia economizar com locomoção ao agregar essa mobilidade aos dados do estoque.

Ah! E antes que pergunte sobre a segurança, saiba que um sistema de gestão na nuvem possui protocolos de segurança que impedem o acesso não autorizado e clona suas informações para servidores secundários, agregando continuidade ao negócio. Mesmo que o servidor principal saia do ar por alguns instantes, o acesso aos dados não fica prejudicado.

Uma excelente opção de software de gestão, que realiza um controle completo de estoques, é o eGestor.

 Você está desperdiçando recursos, o que o impede de aplicar sua energia em outras áreas que poderiam ajudar seu negócio a crescer muito mais. Utilizar um software para o gerenciamento de inventário vai ajudar a automatizar tarefas, evitar as falhas humanas mais comuns e acelerar os processos de monitoramento. Além disso, pode diminuir bastante os custos trabalhistas desnecessários.

Gostou do texto? Sente-se mais preparado para controlar o estoque em sua empresa? Deixe um comentário falando sobre como funciona este processo em seu negócio!

EGestor - Software online de gestão empresarial para pequenas empresas

Escrito por eGestor

O eGestor é um software online para gestão de micro e pequenas empresas.
Teste gratuitamente em http://www.egestor.com.br